Reunidos em assembleia, empregados da Caixa aprovam plano para carreira profissional

6


Em assembleia realizada na segunda-feira 20/5, na sede do Sindicato dos Bancários do Ceará, os empregados da Caixa Econômica Federal aprovaram a proposta da empresa de Termo Aditivo 2012/2013 sobre a Nova Estrutura Salarial (NES) de 2013 da Carreira Profissional. A alteração da tabela salarial é retroativa a março. A proposta foi aprovada com uma abstenção e nenhum voto contra.


A Caixa apresentou proposta para aproximadamente 3.500 profissionais entre engenheiros, arquitetos, advogados, médicos, dentistas e outras categorias. A proposta, que abrange 36 níveis, prevê reajuste no teto da tabela salarial, contemplando, inclusive o Adicional por Tempo de Serviço (ATS), embutido na tabela. Agora, os salários variam de R$ 7.445 até R$ 17.523. A proposta, porém, mantém a discriminação do REG/Replan – não saldado.


“A proposta contempla diversas reivindicações do segmento e ajuda na unificação, além de incorporar em sua tabela item importante de Adicional por Tempo de Serviço (ATS) e apontar perspectiva de crescimento e valorização na carreira”, avalia Marcos Saraiva, diretor do Sindicato e representante da CEE-Caixa.


Moção de repúdio às cláusulas abusivas como condição para migração para a Nova Estrutura Salarial – NES/2013 – Carreira Profissional


Os empregados da Carreira Profissional da Caixa Econômica Federal, reunidos em 20 de Maio de 2013, às 19 horas, em assembleia convocada pelo Sindicato CONTRAF/CUT, com atuação no âmbito do Estado do Ceará, não obstante tenham aprovado a migração para a nova tabela, haja vista que resultou do esforço de negociação de vários anos, REPUDIAM as cláusulas consideradas abusivas da CI DEPES/SURSE/SUSEC 001/2013, notadamente as cláusulas 7.2, 7.2.1, 9.1 e 9.2., que impõem condições com perda de direitos dos trabalhadores para que seja feita a migração. Repudiamos a imposição unilateral que visa exclusivamente eliminar o passivo trabalhista da empresa sem vantagem alguma para os trabalhadores, que, em alguns casos, já obtiveram o reconhecimento judicial de seus direitos, forçando-os a permanecer numa tabela em extinção. Vários trabalhadores que lutaram pela consagração destes direitos estão sendo alijados da nova tabela em razão das desequilibradas cláusulas potrestativas insertas no instrumento de formalização da estrutura das carreiras profissionais na Caixa Econômica Federal. Desta forma, somos contra esta forma impositiva, o que nos motiva a assinar esta moção de repúdio.