Risco de crédito reduz lucro do BNB e prejudica PLR do funcionalismo

8


A Participação nos Lucros e Resultados de 2015 a ser paga aos funcionários do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) deverá ser a menor da história, caso não tenha havido em dezembro uma melhora significativa no lucro líquido da Instituição.


Pelos resultados apurados no período de janeiro-novembro do ano passado, o lucro líquido do BNB atingiu apenas R$ 203 milhões registrando queda de cerca de 60% em relação a janeiro-novembro/2014, quando somou R$ 508,4 milhões.


Com esse resultado, o montante destinado ao pagamento da PLR no intervalo acima mencionado foi de somente R$ 33,2 milhões, contra R$ 70,7 milhões em igual período do exercício de 2014 – ou seja, menos de 50%. Em termos lineares, seria paga PLR inferior a R$ 4 mil, já descontado o adiantamento de R$ 684,00 efetuado em outubro do ano passado.


A queda exagerada no lucro do BNB no período em análise está diretamente relacionada à elevação do risco de crédito que passou de R$ 768 milhões entre os meses de janeiro a novembro de 2014 para R$ 1.868,3 milhões em igual período de 2015, o que significa elevação de mais de 140% de um intervalo para outro.


Para o Sindicato dos Bancários do Ceará é necessário a direção do BNB adotar total transparência na divulgação do balanço da Instituição, principalmente no tocante à desmedida elevação no provisionamento para risco de crédito duvidoso. Na opinião do SEEB/CE, o Banco utiliza recursos públicos e é preciso saber quais os devedores que estão inadimplentes com a Empresa e quais as razões.


“O que está se desenhando mais uma vez é a transferência do pagamento da conta dos devedores para o funcionalismo que acaba vendo todo o seu esforço para tornar a Instituição lucrativa ir por água abaixo fruto da má-gestão e de clientes inescrupulosos”
Tomaz de Aquino, diretor do Sindicato e coordenador da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB (CNFBBNB)