Santander volta a liderar em maio ranking de queixas de clientes no Banco Central

15


O Santander voltou a liderar em maio, pela quarta vez em 2014, o ranking das instituições financeiras com o maior número de reclamações entre os bancos com mais de 1 milhão de clientes, de acordo com levantamento do Banco Central (BC). O banco espanhol teve 415 reclamações procedentes e maio, contando com 22,851 milhões clientes sob o Fundo Garantidor de Créditos (FGC), o que representa o índice de 1,81 no mês, o mais alto entre as maiores instituições.


As principais reclamações no Santander foram a realização de débitos não autorizados, a prestação do serviço de conta-salário de forma irregular e a concessão de crédito sem documentação adequada. Em 2013, o Santander ocupou por oito vezes o primeiro lugar no ranking de reclamações do BC.


Para elaborar o ranking, o BC recebe as queixas dos clientes e analisa se houve descumprimento das normas do Conselho Monetário Nacional (CMN). A lista considera apenas as reclamações procedentes. Os dados usados relacionam o número de queixas recebidas pelo banco com o número de clientes para verificar qual deles tem o maior índice relativo de reclamações. Assim, evita-se que alguns bancos apareçam sempre no topo do ranking por causa do maior número de clientes.


Banrisul, HSBC, BB e Itaú vêm logo depois – O Banrisul passou da terceira para a segunda posição do ranking do BC. O HSBC passou do primeiro lugar em abril para o terceiro em maio. Já o Banco do Brasil permaneceu no quarto lugar e o Itaú entrou para o ranking, ocupando a quinta posição, no lugar do Bradesco, que não está mais entre os cinco mais reclamados. No total, foram 1.049 reclamações de clientes procedentes em maio contra 732 em abril.


“Essa liderança do Santander no ranking de reclamações do Banco Central é reflexo da falta de funcionários nas agências do banco, que traz como consequência a extrapolação da jornada de trabalho, adoecimento dos funcionários e a prática de assédio moral quando da cobrança das metas”
Eugênio Silva, secretário de Saúde do Sindicato dos Bancários do Ceará