SEEB/CE debate interesses do funcionalismo do Banco do Brasil

32


Diretores do Sindicato dos Bancários do Ceará estiveram reunidos com os representantes do Banco do Brasil discutindo no Fórum Sindical temas relacionados a questões de interesse do funcionalismo, na segunda-feira, dia 5/8, na sede da Super/CE.  Uma novidade anunciada pelo banco é a criação de uma unidade administrativa do PSO para o Ceará e Piauí, em resposta à reivindicação do Sindicato por melhores condições de trabalho, e também a criação de uma unidade de TI para cuidar da infraestrutura e tecnologia do banco.


A pauta apresentada pelo Sindicato, representado por seu presidente, Carlos Eduardo Bezerra e os diretores Bosco Mota, José Eduardo Marinho, Léa  Albuquerque, Gustavo Tabatinga, todos funcionários do BB, teve as seguintes demandas: os problemas físicos das estruturas do banco, pressão por metas abusivas, ameaça e descomissionamentos, assédio moral e desrespeito às leis de segurança bancária.


Pressão por metas e assédio moral – Nesses itens, o Sindicato fez questão de colocar ênfase, pois as reclamações dos funcionários crescem a cada dia. O BB, em nível nacional, tem colocado que não admite certas posturas de seus dirigentes, porém as reclamações que o Sindicato tem recebido dizem o contrário. O cotidiano do bancário é outra coisa totalmente diferente.


“As denúncias dão conta de que os Regionais pressionam os colegas, cobrando o que foi feito no dia de forma grosseira. O assédio moral é flagrante. Os bancários estão tomando remédio para aguentar a pressão. É gente doente nas agências e a situação se agrava com o Sinergia”, ressaltou o diretor do SEEB/CE, José Eduardo.


No tocante às metas, José Eduardo fez questionamentos quanto à orientação para funcionários fecharem vendas na retaguarda. “Metas sabemos que existem, mas o modo como é feita a cobrança é grosseira, desumana. Até colega licenciado está recebendo cobrança de meta. Essa situação é assustadora”, disse a diretora do SEEB/CE, Léa Albuquerque. Os diretores do Sindicato pediram providências urgente para  essa situação.


Descomissionamentos – O debate do tema descomissionamento revelou o clima de terror instalado entre os funcionários. Bancários estão perdendo a comissão por, supostamente, não cumprirem as metas. Outros sofrem ameaça de descomissionamento pelo mesmo motivo: metas. “O modo como os colegas estão sendo tratados, deteriora as relações. O BB quer lucro e mais lucro e esquece os funcionários. Massacra”, disse o presidente Carlos Eduardo.


“Quem performar volta para o nível anterior”, afirmou o superintendente estadual do BB, Eloi Medeiros. Só que o Sindicato sabe que performar é encarar um jogo que muda as regras o tempo todo e o dono do jogo muda as regras ao seu bel prazer – com isso o Sindicato não concorda.


Para o diretor Bosco Mota, a insatisfação é geral, em Fortaleza e no Interior, principalmente nas regiões assoladas pela seca. “Como cumprir metas? Como vender num município arrasado pela estiagem?”, completou, lembrando também da situação das agências explodidas. Ele denunciou que o clima está levando gerentes à aposentadoria prematura.


Gustavo Tabatinga, do SEEB/CE, criticou a dinâmica do PSO, pediu posicionamento do BB com relação à segurança, pediu respeito ao ponto eletrônico e disse: “o Sindicato defende a jornada de trabalho do bancário. Se falta pessoal, por que os aprovados no concurso não são chamados?”. O diretor ainda falou que o BB não cumpre a lei do Estatuto de Segurança Bancária.


O Sindicato solicitou o agendamento de nova reunião para discutir PSO e GDP com urgência. A data será divulgada em breve.