SEEB/CE repudia acusações de ex-presidente da AFBNB

30

Em artigo no encarte Plural do Jornal Nossa Voz, publicação da Associação dos Funcionários do BNB, edição de julho de 2011, o ex-dirigente do SEEB/CE, da FETEC/NE, do PT Fortaleza e da AFBNB, aposentado Francisco Antônio Carlos Rodrigues (Chicão), destila inverdades sobre o Sindicato dos Bancários do Ceará que precisam ser rebatidas com a firmeza e a serenidade que marcam a trajetória de 78 anos de luta dessa importante instituição sindical do País.


1 – A atual Diretoria do SEEB/CE foi eleita com percentual de 62% dos votos da categoria e tem, em sucessivas assembleias, obtido votações expressivas para suas teses e na composição de delegações para eventos da categoria, como ocorreu recentemente nas assembleias para eleição de delegados à Conferência Regional da FETEC/NE e aos Congressos dos Funcionários do BNB, BB e CEF. Ressalte-se que tais eleições são presenciais, diferente das eleições para a Diretoria da AFBNB que são à distância, coordenada por Comissão Eleitoral indicada e com apuração de votos sem a devida transparência, pois os boletins de apuração não contemplam unidade por unidade e, sim, computam os votos na totalidade de cada Estado.


2 – O articulista Chicão, ex- apoiador ferrenho da Prefeita Luizianne Lins, hoje insatisfeito por ter sido preterido na ocupação de cargos de relevância na Prefeitura, foi um dos dirigentes da AFBNB que comandou o movimento de fazer “vistas grossas” à indicação do Sr. Kenedy Moura para a função de Superintendente do Gabinete da Presidência do BNB. Na oportunidade, alguns dirigentes da AFBNB, hoje banidos da gestão da Associação, por eleições fraudulentas e viciadas, questionaram o fato de tão importante função ser ocupada por alguém de fora dos quadros do BNB e propuseram uma movimentação no intuito de garantir que aquele espaço fosse ocupado por funcionário de carreira do BNB, como de praxe. Esses dirigentes que hoje estão fora da AFBNB foram imediatamente rechaçados em sua intenção, porque naquele momento o interesse maior de parcela da Diretoria que ainda hoje dirige a Entidade era conseguir indicar um de seus membros para uma Diretoria do Banco, além de outras funções. Somente depois, quando não conseguiram emplacar o Diretor que tanto sonhavam, embora estivessem com representantes ocupando funções de Superintendente de RH, TI, Micro-finanças, Comunicação, Auditoria, Ouvidoria, dentre outras relevantes, deduraram o então Superintendente do GAPRE, Sr. Kenedy, com o objetivo de tomar o seu lugar na mais importante Superintendência do Banco e desestabilizar a gestão Roberto Smith.


3 – Todos os acordos feitos pela atual Direção de SEEB/CE foram autorizados em assembleias democráticas e soberanas (PCR, LP, Promoções, Anuênios) pelo corpo funcional do BNB. O acordo para implantação do PCR foi construído com a participação direta da AFBNB, através de seus representantes em comissão paritária, tal como ocorre hoje, quando a AFBNB também indicou representante na Comissão Paritária para revisão do PCR.


É oportuno lembrar que a proposta para implantação do tão relegado PCR partiu da Superintendência de Recursos Humanos, à época ocupada pela Sra Zilana Ribeiro, “madrinha” dos atuais dirigentes da AFBNB e por isso mesmo, poupada de todas as críticas elaboradas pela Direção da AFBNB. Para comprovar esta assertiva basta pesquisar os jornais e informativos da Associação dos anos de 2004 e 2005 e verificar que as baterias dos então dirigentes da AFBNB, que são praticamente os mesmos de hoje, se voltavam única e exclusivamente contra a Comissão Nacional dos Funcionários do BNB e o SEEB/CE. A Diretoria do BNB é criticada somente de forma superficial. Tal atitude tinha por objetivo livrar a pele da “companheira” de corrente Zilana, assim como hoje a ausência de críticas à Diretoria do BNB tem como objetivo salvaguardar o Diretor Administrativo e de TI, Stélio Gama Lyra Jr; o Superintendente de Ouvidoria, Edgar Fontenele, o Chefe do Ambiente de Comunicação, Mauricio Lima, dentre vários outros ocupantes de elevadas funções, todos integrantes do grupo político que domina a AFBNB.


4 – O SEEB/CE procura conviver democraticamente com todas as correntes de pensamentos, desde que essas correntes sejam coerentes e se assumam como tal. Não é o caso de dirigentes da AFBNB que hoje se dizem do PT e da CUT, porque não querem entregar as polpudas funções de Diretor e Superintendentes que ocupam no Banco. Mas, traiçoeiramente, endossam todas as posições do CONLUTAS, contra o Sindicato, traindo os funcionários do BNB, ao se revelarem com duas caras.


5 – Se é verdade que os TDE’S tinham funções asseguradas por concurso, também é verdade que nenhum outro TDE recuperou sua função no novo PCR, ainda que de forma indireta. A única exceção fica por conta do Sr. José Frota de Medeiros, ex-presidente da AFBNB até dezembro de 2010 e hoje Presidente do Conselho Fiscal da Entidade. Medeiros voltou para o Banco após 6 anos cedido à AFBNB com a função de Assistente de Superintendência nível IV por obra e graça do Diretor Administrativo e de TI, que é de sua mesma corrente política. Interessante que o mesmo não tenha ocorrido com outros colegas, até da mesma tendência do Sr Medeiros, como é o caso de ex-dirigente sindical lotado em Pernambuco, alinhado com a

atual direção da AFBNB, que até hoje amarga descomissionamento. Além da falta de AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA, falta também espírito de SOLIDARIEDADE aos “imbatíveis” detentores do poder na Associação.


6 – O Sindicato dos Bancários do Ceará interpelará judicialmente o Sr. Francisco Antônio Carlos Rodrigues (Chicão) para que ele aponte os interesses “escusos” e os diretores “inescrupulosos” aos quais se refere em seu tresloucado artigo. E aproveita para recomendar ao Sr. Chicão que procure informar-se melhor antes de se posicionar sobre assuntos de interesse da coletividade benebeana, como é o caso da Ação de Equiparação. Esse Passivo Trabalhista está em fase de execução desde 2008. Portanto, o SEEB/CE não está ameaçando o Banco com a execução, pois esta já está em curso, há mais de 3 anos.

Diretoria do Sindicato dos Bancários do Ceará – FETRAFI/NE – CONTRAF-CUT