Sem garantia de emprego proposta sobre plano de saúde é rejeitada

25


A direção do banco ainda recusou a incorporação das funções e a assinatura do Termo de Compromisso, que garante o direito dos empregados. Sem garantia de emprego, não há acordo. A Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa) rejeitou na mesa de negociação, realizada no dia 9/11, a proposta da direção do banco para alterar o modelo de custeio do Saúde Caixa.


A reunião deveria debater a garantia de empregos e de incorporação de função, que representa estabilidade de remuneração dos trabalhadores, e a assinatura do Termo de Compromisso, entregue em mesa dia 26 de outubro e que protege os empregados dos malefícios da Reforma Trabalhista. No entanto, a Caixa mudou sua estratégia, negou todas essas garantias e retirou todas as questões debatidas anteriormente.


Os trabalhadores tiveram disposição de negociar. Mas a direção do banco e o governo federal, intransigentes, travaram todo e qualquer avanço dessa negociação, numa atitude desrespeitosa.


“O Termo de Compromisso, a garantia de empregos e das funções dos empregados representam as conquistas dos trabalhadores em suas carreiras, além das lutas históricas de décadas da categoria, que não podem ser ameaçadas dessa forma e muito menos arrancadas”
Marcos Saraiva, diretor do  SEEB/CE e da Fenae