Seminário mobiliza por PCS JÁ

38

Em reunião realizada na última quarta-feira, dia 28/11, representantes de vá-rios segmentos de empregados da Caixa Econômica Federal escolheram o dia 18/12 para a realização do seminário que vai debater o Plano de Cargos e Salários (PCS) do banco. Local e horário serão definidos posteriormente pela comissão organizadora do evento.


A Contraf-CUT e a Caixa Federal, em reunião realizada no dia 27/12, estabeleceram um cronograma para a discussão do PCS. A próxima rodada de negociações ficou marcada para o dia 20/12, quando a Caixa apresentará dois estudos para a Contraf-CUT. O primeiro trata das carreiras de TB e TBF e o outro sobre as práticas de carreira adotadas pelas principais empresas do mercado nacional, que servirão de parâmetro para o debate. A Caixa sinaliza que quer concluir as negociações sobre o PCS até o final de fevereiro de 2008. “Os bancários devem acompanhar de perto os debates e se manter mobilizados para pressionarmos o banco”, comenta Plínio Pavão, coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa.

O presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará e membro da CEE/Caixa, Marcos Saraiva, reforçou durante a reunião com os empregados cearenses a necessidade de mobilização em cada segmento e cobrou o compromisso dos presentes para concluir essa tarefa. “A mobilização é importante para que não sejamos pegos de surpresa e tenhamos que aceitar um plano que não contemple a todos”, disse. E completou: “é necessária uma dinâmica de encarreiramento e não só uma unificação da tabela para resolver um problema salarial a curto prazo”.

PORQUE É IMPORTANTE DEBATER O PCS

“Quero reforçar a necessidade da mobilização e da participação de todos os segmentos de empregados da Caixa Federal nesse seminário. A expectativa é que nesse seminário possamos contribuir para construir um PCS justo para todos”.
Laércio Alencar – presidente da APCEF/CE

“É importante que todos participem porque temos muitos assuntos a debater sobre o PCS. Um deles é reforçar a motivação dos novos empregados. Hoje, o salário base é abaixo de R$ 1.000,00 e se os novos não forem incentivados a ficar no banco, vão procurar um lugar melhor e quem acaba perdendo com isso é a população”.
Antônio Sancho de Carvalho – Escriturário da Caixa