Sindicalistas apresentam pauta específica dos bancários cearenses

6


No último dia 20/1, o Sindicato dos Bancários do Ceará recebeu a visita do superintendente de Relações Sindicais do Itaú, Marco Aurélio de Oliveira, ocasião na qual os dirigentes entregaram a pauta local de reivindicações do funcionalismo do banco.


O presidente do Sindicato dos Bancários, Carlos Eduardo Bezerra, conduziu a reunião, que contou ainda com a presença de vários diretores funcionários do Itaú. “O Ceará garante resultados importantes para o banco e o prêmio para tanta dedicação é o aumento das metas, mais cobranças, demissão, rotatividade, assédio moral”, pondera o presidente.


“As metas são naturais numa empresa financeira, mas desde que sejam saudáveis. Cada vez os resultados têm ficado mais inatingíveis. Além disso, a rotatividade é tão grande dentro das agências que praticamente não há mais como fidelizar o cliente”, complementa o diretor Marcos Francelino.


O diretor do Sindicato, Alex Citó, também questionou as metas abusivas. “Me preocupa ver o banco implementar essa política de metas e esquecer das pessoas. O que antes era um instrumento para se conseguir destaque na empresa, agora não passa de um mecanismo de tortura. Não podemos admitir que o funcionalismo seja penalizado”, lamentou.


O superintendente do banco propôs uma reunião, em breve, da direção do Itaú com a Comissão de Empresa e a Contraf, para apresentar com detalhes o programa de metas AGIR e debater a questão com o funcionalismo.


==========================


“Hoje o bancário recebe um número ‘x’ para cumprir e acaba tendo que cumprir muitas vezes ‘2x’. É meta por cima de meta e um prazo cada vez menor para dar conta de tudo. Assim, não há saúde que aguente”
Iêda Marques, funcionária do Itaú e secretária de Formação do Sindicato


 


Pauta dos Funcionários


Pressão para o cumprimento de Metas – Os dirigentes questionaram bastante a pressão pelo cumprimento de metas que tem causado mal-estar nas unidades e adoecimento na categoria. Uma reunião deve ser realizada em breve, em nível nacional, para debater o programa AGIR.


Comportamento – O Sindicato informou que deve acionar o Protocolo de Prevenção de Conflitos contra uma das gestoras da agência Major Facundo, que tem abusado do assédio moral e das práticas antissindicais em sua gestão.


Emprego – Tem chamado a atenção do Sindicato o índice elevado de desligamentos no Itaú. A entidade não vê motivos para tantos desligamentos diante do aumento do número de agências e do quadro já reduzido de pessoal e alerta para que isso não gere outros problemas, como a precarização do atendimento e sobrecarga de trabalho. O Sindicato denuncia ainda que o banco vem utilizando o mecanismo da rotatividade para reduzir a folha de pagamento. Os sindicalistas questionaram ainda um sistema de rodízio desordenado dentro das agências e a lotação de funcionários, principalmente no Interior, distante de suas residências.


Segurança – O presidente do Sindicato, Carlos Eduardo Bezerra, ressaltou problemas quanto ao cumprimento do Estatuto Municipal de Segurança Bancária por parte do Itaú. Alguns itens já estão sendo cumpridos na maioria das agências, entretanto, há contestações quanto a fachada blindada e a presença de um vigilante por 24 horas, como diz a lei. O superintendente do Itaú sugeriu uma reunião com o setor de Segurança do Itaú, em São Paulo, para debater o tema.