SINDICATO ACOMPANHA REINTEGRAÇÃO DE BANCÁRIO DEMITIDO INJUSTAMENTE EM ICÓ

20


O Sindicato dos Bancários do Ceará acompanhou a reintegração do bancário do Banco do Brasil, Livanildo Ferreira Albuquerque, que lutou por quatro anos na Justiça para corrigir uma injustiça cometida pelo banco.


Livanildo chegou à agência do BB em Icó em 2012 e foi demitido injustamente em 2014, quando exercia a função de caixa. Ele conta que quando chegou à unidade, um colega de banco começou a retirar dinheiro dos caixas, cujas gavetas não tinham chave, no horário do almoço, quando ficava sozinho no ambiente. “Então, comecei a realizar empréstimos para cobrir as diferenças de caixa que começaram a aparecer. Quando era de R$ 100,00 – R$ 200,00 dava para pagar, mas quando começou a dar diferença de R$ 1.000,00 – R$ 2.000,00, aí ficou difícil”, relata ele. O banco então alegou que ele estaria fazendo empréstimos não para pagar a diferença de caixa, mas para uso indevido e ele foi demitido por justa causa em 2014. “R$ 1.028,00 foi o valor da minha demissão”, conta.


Demitido, ele procurou imediatamente o Sindicato dos Bancários para tentar reverter a situação. Enquanto aguardava, vivia de bicos e de uma movelaria – sua antiga ocupação antes de ser bancário. “Foi um período muito difícil, pois pagava aluguel, tinha uma filha recém-nascida com problemas de saúde, mulher e outra filha para sustentar”. Além das dificuldades financeiras, ele ainda enfrentava o olhar condenador de várias pessoas por onde passava e havia ainda o preconceito na sua movelaria. “Era um sentimento de injustiça muito grande”, diz.


A ação foi vencida em 2ª instância em 3 de agosto de 2018, quando ele finalmente voltou para o banco, agora como escriturário. O bancário que cometeu as ilegalidades admitiu a culpa, o que ajudou no processo dele.


Por fim, Livanildo destaca a atuação do Sindicato no seu caso, pois ele acredita que a entidade foi essencial para a sua volta ao banco. “Sempre fui muito bem assistido pelo Sindicato, principalmente pelo [diretor] Bosco Mota e todo o departamento jurídico, em especial o dr. Vianey Martins. Hoje consegui provar minha inocência e tenho meu emprego de volta. Não tenho do que reclamar, só agradecer”, diz. “Algumas pessoas na minha agência, às vezes, se perguntam para que existe Sindicato, eu digo que agradeça por nunca ter precisado do Sindicato. Nessas horas, a gente reconhece a importância do Sindicato para defender nossos direitos enquanto trabalhadores”, finaliza.