SINDICATO APOIA CHAPA VIVER CASSI

27


Os usuários da Cassi elegerão, de 16 a 27 de março, o novo diretor de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes, além dos membros dos Conselhos Fiscal e Deliberativo.  O Sindicato apoia a chapa Viver Cassi, que concorrerá nas eleições com os números 4 para Diretoria e Conselho Deliberativo, e 33 para o Conselho Fiscal.


Uma das principais propostas da Chapa Viver Cassi é a defesa da solidariedade da Cassi: mesmo atendimento para todos, conforme a necessidade de cada um. Quem ganha mais paga mais. Quem ganha menos paga menos. E o Banco do Brasil continua responsável pelo custeio de todos.


Todos os integrantes da Chapa Viver Cassi têm experiência de gestão no Banco do Brasil e nas entidades representativas dos trabalhadores da ativa e aposentados. Além disso, a chapa é apoiada pela maioria dos sindicados e entidades associativas.


A eleição será realizada em duas fases. Primeiro vote na Chapa 4 Viver Cassi para a Diretoria e Conselho Deliberativo. Depois vote na Chapa 33 Viver Cassi para o Conselho Fiscal.


É possível votar pelo site www.cassi.com.br ou pelo App Cassi no celular, com seu login e senha da Cassi. Pelos terminais de autoatendimento do BB, com cartão e senha de sua conta corrente. Os associados da ativa também podem votar pelo SISBB.


CONHEÇA AS PROPOSTAS DA CHAPA VIVER CASSI


  1. Reduzir os percentuais de coparticipação;

  2. Mais medicamentos pelo menor custo;

  3. Acompanhamento constante;

  4. Estabelecer uma política de acompanhamento permanente de pacientes com doenças crônicas e/ou oncológicas;

  5. Fortalecer o Programa de Saúde Ocupacional (PCMSO) e melhorar a atenção à saúde dos trabalhadores;

  6. Ampliar o programa de Estratégia Saúde da Família (ESF);

  7. Realinhar os contratos com os prestadores de serviços;

  8. Combater desperdícios e fraudes de prestadores;

  9. Criar redes referenciadas de prestadores onde a instalação CliniCassi for inviável;

  10. Central Clínica 24 horas (Online);

  11. Modernização do Portal Cassi;

  12. Rede credenciada nas cidades do interior;

  13. Negociar parcerias para construir hospitais e clínicas próprias.