Sindicato critica condições de trabalho e voluntariado de mão-de-obra em Seminário sobre Copa 2014

9


O Sindicato dos Bancários do Ceará e a Central Única dos Trabalhadores estiveram presentes no seminário “Diálogos: Governo-Sociedade Civil: Copa 2014”, realizado na terça-feira, 6/5, na Assembleia Legislativa do Ceará, com a presença do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho. O objetivo foi apresentar o que seria o legado da Copa e discutir com movimentos sociais e representantes da sociedade civil ações desenvolvidas para o mundial de futebol. A iniciativa pretende reunir governo e lideranças locais em cada uma das 12 cidades-sede do evento esportivo. Fortaleza foi a sexta visitada.


Na ocasião, os trabalhadores das entidades de classe fizeram críticas ao trabalho voluntário, acidentes de trabalho e empregos gerados durante o evento. “Queremos deixar claro que não somos contra a Copa do Mundo no Brasil, mas defendemos, acima de tudo, condições de tabalho decentes. Oito mortes ocorreram até agora em obras da Copa. Na Alemanha nenhum trabalhador morreu e na África do Sul foram dois”, ressaltou o presidente do Sindicato dos Bancários, Carlos Eduardo Bezerra.


O evento contou ainda com a presença de entidades e grupos da sociedade civil, sindicatos e movimentos sociais. Críticas e cobranças pontuais foram feitas nas áreas da mobilidade urbana, segurança pública, exploração sexual de jovens, garantia de finalização das obras, segurança do trabalho e trabalho voluntário.


O ministro Gilberto Carvalho garantiu um comportamento diferente das forças de segurança durante possíveis protestos na Copa do Mundo. “É natural que ocorram manifestações. Nós queremos que elas sejam pacíficas e democráticas e estamos fazendo um trabalho forte para que a Polícia Militar não trate manifestantes como inimigos”.