Sindicato denuncia assédio moral no Banco do Brasil da Heráclito Graça

28


Assédio moral. Funcionário sem querer entrar na agência. Outro saindo da agência chorando. Ameaças de descomissionamento para quem não cumprir meta. A verdadeira porta do inferno. É assim que está sendo descrita a agência do Banco do Brasil da Av. Heráclito Graça, em Fortaleza. Para denunciar esse caos, o Sindicato dos Bancários do Ceará realizou na quinta-feira, 27/10, uma representação lúdica colocando a porta do inferno na entrada da unidade para exigir um “basta” a essa situação e dizer “Não” ao assédio que a categoria vem sofrendo ali.


O ato teve o apoio da maioria absoluta dos funcionários que cobram condições dignas de trabalho. A agência é a pior colocada no programa de metas e resultados do BB (Sinergia). De acordo com o diretor do Sindicato, José Eduardo Marinho, “a entidade realizou diversas reuniões na agência com o objetivo de solucionar o problema. Entretanto, como as conversas parecem não ter surtido efeito, resolvemos denunciar à sociedade o caos que a categoria vem enfrentando no local. Dentro da agência, ninguém confia em ninguém”, disse.


“O atrito tem gerado adoecimento, denúncias, um péssimo clima, e nós buscamos uma solução pela via da negociação com a direção do BB, mas até agora, nada. Queremos que o BB se manifeste e busque a solução do conflito. Se isso não acontecer, daremos sequência a uma série de ações: retardamento do horário de atendimento, paralisações, levar à direção nacional da empresa e, em último caso, até mesmo acionar a justiça para defender os trabalhadores”, avisa o presidente do Sindicato, que também é funcionário do BB, Carlos Eduardo Bezerra e completa: “as conquistas não devem ser apenas durante a campanha salarial, com a greve, elas devem acontecer todos os dias, quando conseguimos superar uma dificuldade”.


Durante o ato, o BB local na pessoa do gerente geral de Gestão de Pessoas no Ceará, Valdemar Neves, assegurou a implantação de um plano de ação para atender as reivindicações de todos os funcionários daquela dependência. O Sindicato continuará acompanhando os desdobramentos para que a tentativa administrativa dê um basta na sensação de intranquilidade que cerca o clima da agência.


“Isso não é uma gestão ética. Isso é desumanidade. Às vezes, o cliente não entende porque chega aqui e o funcionário não lhe atende com um sorriso no rosto, mas é porque passou dessa porta, ele está num verdadeiro inferno. Queremos deixar claro para o banco que nós do Sindicato estamos tomando todas as dores do funcionalismo e que não vamos deixar barato”.
Jannayna Lima, diretora do Sindicato e funcionária do BB