Sindicato denuncia atuação irregular de correspondentes bancários dentro da CEF

21

O Sindicato dos Bancários do Ceará denuncia a existência de diversos problemas na atuação dos correspondentes bancários da Caixa Econômica Federal (CEF) no Estado. Procedimentos referentes ao financiamento imobiliário desobedecem claramente às normas do banco e expõem o bancário a alguns riscos. Segundo o diretor do Sindicato e presidente da APCEF/CE, Áureo Júnior, em diversas agências do Ceará é possível encontrar correspondentes bancários atuando nas dependências do banco.


“Pelo contrato, a relação entre o banco e o correspondente deve ser do balcão para fora. O que temos percebido são os correspondentes no ambiente interno das unidades da Caixa, que deve ser preenchido somente por empregados do banco. Isso não acontece em outros estados, mas aqui virou corriqueiro. Já fiz reuniões nos ambientes internos da agência com a presença de correspondentes”, denuncia o dirigente sindical.


Outro problema identificado é o grau de controle dos procedimentos que as empresas contratadas estão adquirindo. “Nós temos percebido vários vícios que quebram, inclusive, o contrato estabelecido e dão certa independência à empresa. Isso pode criar problemas futuros, como a criação de informações fictícias sobre a renda do cliente que está adquirindo o financiamento, por exemplo”, afirma Áureo Junior.


O diretor explica que isso expõe o bancário a alguns riscos. Se o bancário receber informações erradas do correspondente sobre um procedimento e der o aval para o financiamento, forma-se o risco. “Mais tarde, se tiver algum problema com aquele financiamento, o bancário vai ser responsabilizado”, alerta Áureo.


Áureo Júnior aponta ainda outro “vício”: empregados da Caixa, mesmo gerentes gerais, possuem relações estreitas com correspondentes bancários. Segundo o diretor, são vários empregados nesta condição, inclusive, alguns são parentes e amigos de donos ou sócios de empresas contratadas pelo banco. “Isso é muito preocupante. Ao mesmo tempo em que ele é gerente geral da agência, tendo que defender os interesses do banco, ele é também a figura que se relaciona de forma comercial com o banco, prestando serviços. Não faz sentido um negócio desses”.


O movimento sindical defende que a montagem e o controle absoluto dos procedimentos de crédito imobiliário sejam da Caixa. O Sindicato enxerga que esse know-how aos poucos está sendo perdido e exige que as operações sejam feitas nas unidades da Caixa, por funcionários da Caixa.

Correspondente bancário: é um mecanismo utilizado para que o banco dê conta do grande volume de serviços que incorpora. A rede lotérica é um exemplo. Na Caixa, existem os correspondentes bancários imobiliários, que são empresas contratadas pelo banco e que montam o processo para o financiamento habitacional.