Sindicato esclarece que exames periódicos devem ser pagos pelo banco

17

Os funcionários do Banco do Brasil do interior do Estado têm enfrentado problemas na realização dos Exames Periódicos de Saúde (EPS). Dentre as principais dificuldades que os trabalhadores encaram estão a pouca disponibilidade de médicos em algumas localidades, o consequente deslocamento para a capital e a falta de esclarecimentos por parte da Cassi e do banco em relação ao assunto.


Anualmente, o funcionário do BB tem o direito de fazer o EPS, que visa identificar precocemente problemas de saúde que possam estar ou não relacio-nadas ao exercício do trabalho. O Exame é realizado em duas etapas: Clínica e Complementar. Na primeira, a Caixa de Assistência envia à agência um médico para avaliar as condições de saúde geral e específica (relacionadas ao posto) do trabalhador. Já na segunda, são feitas consultas mais complexas que dependem da idade e do sexo da pessoa, como mamografia e papanicolau. E é exatamente este último processo que vem causando inúmeros transtornos.


Como, geralmente, as cidades do interior não possuem esses tipos de profissionais, o funcionário se vê obrigado a procurar médicos em outras regiões, como Fortaleza. Os gastos com transporte, alimentação e hospedagem deveriam ser ressarcidos, mas em alguns casos, nem a Cassi nem o Banco do Brasil tem se posicionado adequadamente. Uma bancária de uma agência do interior, por exemplo, que teve que vir a capital realizar exames ginecológicos, disse que chegou a gastar R$ 200,00 do próprio bolso em todo o processo. “Cheguei a ligar para a Cassi, para a Gepes e até para Brasília para tentar reaver o dinheiro, mas nada foi feito”, complementa.


Para evitar que situações como essa se repitam, o diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará, Bosco Mota, explica que “os funcionários do BB do interior só se desloquem para fazer exames com autorização prévia do banco e da Cassi. São essas instituições que devem arcar com as despesas”. Para maiores esclarecimentos, ele pede que entre em contato com o Sindicato, através dos números (85) 3252 4266 ou (85) 9155 4822.