Sindicato intensifica mobilização nas agências de Fortaleza

7


“Não, não, não, diga não à exploração!” – a frase cantarolada pelos integrantes da Trupe Tramas de Teatro anuncia mais uma visita às agências bancárias em Fortaleza. Com a encenação da peça “Jegue Tupiniquim Arregaça Touro Europeu em Duelo na Caatinga”, o Sindicato dos Bancários do Ceará apresenta de forma lúdica a eterna contenda entre trabalhadores e patrões. Na última semana, a entidade visitou unidades do Centro, Aldeota, Av. Dom Luís e participou do seminário de integração dos novos funcionários do BNB, no Passaré.


Foram visitadas unidades da Caixa Econômica Federal, Bradesco e Banco do Brasil, onde os dirigentes do Sindicato divulgaram a pauta de reivindicações da categoria, falaram sobre o andamento das negociações com a Fenaban e bancos públicos e convocaram os trabalhadores a, se preciso for, construir um movimento grevista forte e coeso para avançar nas conquistas.


A população também tem recebido bem a mobilização dos bancários nas agências, interagindo com a peça teatral, filmando a apresentação, apoiando e compreendendo quando os funcionários param o atendimento para ouvir o recado do Sindicato.


“Nós estamos usando esse recurso da peça de teatro para mostrar à sociedade que nós buscamos melhores condições de trabalho, um atendimento melhor, mais contratações, o que só conseguiremos com muita luta. Se hoje se vê agências com biombos, porta giratória e outros recursos de segurança, não foi benesse dos banqueiros não. Esses instrumentos são frutos da luta do Sindicato dos Bancários do Ceará, que batalhou pela aprovação e cumprimento do Estatuto de Segurança no município de Fortaleza”, reforça Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato.


“Nós estamos travando um verdadeiro cabo de guerra: de um lado, os trabalhadores, do outro, os banqueiros. Nós não podemos admitir que, por exemplo, mais da metade da categoria se afaste pelo INSS em decorrência de problemas psicológicos por conta de abuso nas cobranças de metas, assédio moral. Queremos melhores condições de saúde, de segurança para todos e mais empregos. Nós temos disposição para o diálogo, mas diante da postura de enfrentamento dos banqueiros, que até agora negaram tudo na mesa de negociação, nós também podemos mostrar nossa disposição de luta”
Carmen Araújo, diretora do Sindicato e funcionária do BNB


“Queremos avançar em segurança, saúde, condições de trabalho, emprego e remuneração. Já estamos na terceira semana de negociação e até agora só há negativas na mesa. E se os bancos quiserem pagar para ver mais uma vez, nós vamos mostrar que estamos unidos, fortes e mobilizados. Para nós, a greve tem sido determinante para avançarmos nas conquistas, pois sem ela os banqueiros nos oferecem propostas rebaixadas que não compensam sequer a inflação do período. Com a greve, acumulamos ao longo dos últimos dez anos, aumento real de aproximadamente 20%, no piso de aproximadamente 40%, entre outros ganhos que são fruto da luta e da força dos bancários”
Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato e funcionário do BB


“Infelizmente, estamos caminhando novamente para um processo de greve, pelo décimo ano consecutivo. A nossa pauta não é absurda e é totalmente viável de ser atendida pelos bancos, pois o sistema financeiro é um dos setores que mais lucra nesse País. Queremos deixar claro para a população que a intransigência não é da parte dos bancários, mas da postura irredutível dos banqueiros que recusou até agora todas as nossas reivindicações apresentadas sobre saúde, segurança, emprego, condições de trabalho, entre outras”.
Clécio Morse, diretor do Sindicato e funcionário do Santander


Calendário das próximas atividades


15 – Dia Nacional de Luta.


15 – Quarta rodada de negociação específica com o BNB.


16 e 17 – Quinta rodada de negociação com a Fenaban


16 – Terceira rodada de negociação específica com o Banco da Amazônia


17 – Sexta rodada de negociação com a Fenaban


19 – Sétima rodada de negociação com a Fenaban (a ser confirmada)