Sindicato propõe Seminário sobre Segurança Bancária em reunião na SSPDS

11


O Sindicato dos Bancários do Ceará se reuniu na sexta-feira, 15/4, com a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) para debater segurança bancária. Estiveram presentes o secretário de Segurança, Delci Teixeira; o secretário adjunto, coronel Lauro Prado e o delegado Fernando Menezes, coordenador da Coordenadoria Integrada de Planejamento Operacional da SSPDS. Pelos trabalhadores bancários compareceram o presidente do Sindicato, Carlos Eduardo Bezerra e o diretor da entidade, Gabriel Motta. O encontro aconteceu na sede da Secretaria.


A reunião foi uma solicitação do Sindicato diante do aumento do número de ataques violentos a bancos, principalmente no interior do Estado. Na ocasião, o presidente do Sindicato dos Bancários, Carlos Eduardo Bezerra, diante da violência constatada em várias unidades do Interior e Região Metropolitana, convidou a Secretaria de Segurança para participar de um Seminário sobre Segurança Bancária que a entidade deve realizar em breve. O secretário Delci Teixeira confirmou a participação no evento que deve reunir ainda representantes dos bancários, dos bancos, Igreja, CDL, OAB/CE, parlamentares, sociedade civil organizada e órgãos públicos para debater a insegurança bancária e alternativas para minimizar a violência. “Os casos têm diminuído onde conseguimos aprovar leis específicas para aumentar a segurança nas agências, como em Fortaleza, Tianguá e em Caucaia”, afirmou Carlos Eduardo.


“Nós acompanhamos esses casos porque eles atingem diretamente a categoria bancária. Hoje tem bancário se recusando a trabalhar em algumas áreas do interior do Estado porque o temor de ser sequestrado ou ter sua família atingida é muito grande”, citou o diretor Gabriel Motta.


De acordo com o Secretário de Segurança, a Secretaria tem se reunido com a Delegacia de Controle de Segurança Privada (Delesp), com a própria Polícia Federal, Exército e até mesmo com as instituições bancárias buscando soluções para minimizar a violência.


O Secretário afirmou ainda que algumas deliberações já foram tomadas como a ampliação do RAIO para o Interior, assim como da atuação do CIOPAER em várias regiões do Ceará. Está sendo implantado ainda o Batalhão de Divisas, que deve monitorar as divisas do Estado, como a do Piauí, conhecida rota de fuga de assaltantes de banco. As medidas fazem parte do Pacto Por um Ceará Pacífico, anunciado pelo governador Camilo Santana, com quem o Sindicato também esteve reunido em meados do ano passado.



Independência foi sitiada. São João do Jaguaribe explodida. Morte em Pacajus


O Sindicato contabilizou em pouco menos de quatro meses de 2016 um total de 24 ataques a bancos, muitos com uso de violência, reféns utilizados como escudos humanos, e muito terror, principalmente no Interior. Somente neste ano foram registrados sete ataques com explosões e uma tentativa de assalto com sequestro do gerente e sua família.


O assalto a Independência, no dia 11/4, foi bastante citado durante a reunião, por ter o modus operandi bem parecido com o que acontece na maioria das cidades do Interior. Uma quadrilha portando armas de grosso calibre sitiou a cidade e assaltou duas agências: BB e Bradesco. O grupo atirou contra o destacamento policial e fugiu levando reféns. Já no dia 17/4, um bando fortemente armado explodiu o BB de São João de Jaguaribe, com atuação semelhante ao que aconteceu em Independência: atacando o destacamento militar enquanto a outra parte invadia o banco.


No dia 18/4 aconteceu a primeira morte em ataques a bancos de 2016. Um policial militar morreu quando iria realizar o depósito de um malote no Bradesco de Pacajus. Ele foi vítima de uma chegadinha bancária e foi vitimado mesmo sem reagir. Uma cliente também foi baleada.


Segundo o Secretário de Segurança, regiões com casos corriqueiros de violência têm tido prioridade nas ações do Pacto por um Ceará Pacífico.