Sindicato protesta contra censura do BNB e mobiliza para a greve

5


O Sindicato dos Bancários realizou na última terça-feira, 10/9, uma grande manifestação na sede administrativa do BNB, no Passaré, com a presença de vários membros da Comissão Nacional dos Funcionários (CNFBNB). O objetivo foi mobilizar o funcionalismo para a campanha salarial, como forma de pressionar o Banco a apresentar uma proposta digna ao corpo funcional. Além disso, o Sindicato protestou contra o ato de gestão do Banco em proibir o recebimento de e-mails da entidade pelos funcionários.


Durante a manifestação foram dados também informes sobre a rodada de negociação ocorrida no dia 9/9 e sobre a proposta oferecida pelos banqueiros de apenas 6,1%, além de esclarecimentos sobre as lutas políticas da pauta da categoria, como o combate ferrenho ao projeto de lei 4330, que escancara a terceirização.


O coordenador da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB, Tomaz de Aquino, ressaltou que, diante das sucessivas negativas do Banco e do ato de censura aos informes do Sindicato, só resta ao funcionalismo o caminho da mobilização. “Nossa pauta é bem realista, não existe nada de outro mundo, apenas reivindicações justas e de fácil atendimento pelo Banco. Agora, muito nos admira que numa época de total democracia, nós tenhamos que enfrentar uma mordaça, que o Banco está colocando no Sindicato dos Bancários, para impedir que a entidade se comunique com sua categoria por meio eletrônico, coisa que fazíamos há vários anos. O SEEB/CE não vai se calar diante dessa tirania. Vamos continuar denunciando as irregularidades, vamos continuar pedindo o afastamento de diretores envolvidos em operações nebulosas e vamos continuar usando outros meios de comunicação para informar os funcionários a respeito dos assuntos que lhes interessam diretamente, nem que seja entregando panfleto de mesa em mesa”, avisa.


Para combater essa medida ditatorial do Banco, Tomaz convocou os funcionários a consultarem sempre o site do Sindicato (www.bancariosce.org.br), o Facebook (www.facebook.com/seebce), o Twitter (@bancariosce) e enviarem seus e-mails pessoais para a Comissão Nacional (cnfdobnb@gmail.com) para receber informes.


O presidente do Sindicato, Carlos Eduardo Bezerra, também condenou a medida do Banco. “Não se pode permitir que numa empresa pública, se tomem atitudes como essa de barrar os canais de debates com os trabalhadores, ainda mais numa época de campanha salarial, de mobilizações importantes para a classe trabalhadora como a luta contra o PL 4330”, avalia.


Mobilização é o caminho – De acordo com o vice-presidente da Contraf-CUT, Carlos Souza, houve avanços significativos nas campanhas anteriores, fruto do empenho das entidades, como o fato de o BNB agora negociar e assinar seu acordo coletivo concomitantemente com os outros bancos federais. Entretanto, a falta de propostas para este ano não dá outra alternativa ao funcionalismo a não ser se mobilizar e construir uma greve forte para pressionar o Banco a apresentar uma proposta digna.


Ponto a Ponto e Isonomia – Respondendo a questionamentos dos bancários, o coordenador da CNFBNB e diretor do SEEB/CE, Tomaz de Aquino, deu informes sobre ações jurídicas que buscam resgatar direitos subtraídos dos funcionários. Segundo Tomaz, o Sindicato já ingressou com uma ação pleiteando o retorno do sistema ponto a ponto. A ação tramitará na 11ª Vara da Justiça do Trabalho de Fortaleza, sob o número 000366.70.2013.5.07.0011.


Com relação à ação da isonomia, Tomaz informou que a ação aguarda julgamento em primeira instância e pleteia a isonomia de direitos para todos os funcionários. “Em todos os congressos nacionais de funcionários, em todas as pautas de reivindicações específicas, a primeira cláusula é sempre a isonomia de tratamento. Se não conseguimos aprová-la por via negocial, vamos consegui-la por via judicial”, finaliza.