Sindicato realiza ato na agência do BB em Orós para denunciar insegurança

51

O Sindicato dos Bancários do Ceará realizou uma paralisação na agência do Banco do Brasil de Orós (364 quilômetros de Fortaleza) na última quarta-feira, dia 19/5. A paralisação durou uma hora e foi motivada pelo clima de insegurança que ronda a agência, o que vem afetando a saúde dos funcionários.


Segundo o diretor do SEEB/CE e funcionário do Banco do Brasil, Bosco Mota, no momento do ato, três dos sete funcionários da unidade estavam de licença por consequência do último assalto à agência, no dia 3/5. O diretor disse que, além dos problemas de insegurança, a agência do BB de Orós também sofre com o reduzido número de funcionários. “O Sindicato dos Bancários do Ceará exige que o Banco do Brasil contrate mais pessoas, por que não tem condição continuar do jeito que está”.


A insegurança é tão presente que alguns funcionários preferem não voltar a trabalhar na agência. Bosco relatou o caso de um funcionário que pediu transferência para Juazeiro do Norte por conta dos constantes assaltos. O caixa da agência e diretor do SEEB/CE, Carlos Oliveira, disse que todos os funcionários trabalham com medo e a lembrança do último assalto ainda está presente, pois a porta giratória, atingida pelos tiros durante o assalto, ainda não foi substituída.


Além de Bosco Mota, estiveram presentes no ato os diretores Telmo Nunes, Cláudio Rocha e Plauto Macêdo.

ASSALTOS – O último assalto à agência do BB de Orós ocorreu no dia 3/5. Os assaltantes invadiram a cidade e chegaram ao banco atirando. Funcionários e clientes logo se transformaram em reféns. Os assaltantes destruíram as portas de vidro da agência e entraram no prédio. Segundo apurou a Polícia, eram, pelo menos, cinco homens armados com fuzis, pistolas e escopetas. O ataque foi rápido, preciso e violento. Além de roubar o dinheiro que havia nos caixas, os ladrões agrediram os clientes que estavam junto aos caixas eletrônicos e tomaram também o dinheiro deles e objetos pessoais. Os seguranças da agência foram levados como refém, mas logo libertados.


Esse é o segundo ataque à agência em menos de um ano. Em junho de 2009, a unidade foi atacada por oito homens encapuzados e fortemente armados. Em uma ação similar a de 2010, os assaltantes renderam clientes e funcionários e efetuaram disparos no interior da agência. Eles roubaram dinheiro do cofre, da tesouraria, dos caixas e das máquinas de auto-atendimento.


Só nos cinco primeiros meses desse ano, seis agências do Banco do Brasil, localizadas no interior do Ceará, já foram assaltadas.