Sindicato suspende na Justiça reajuste arbitrário do Saúde Caixa

3


A Justiça do Trabalho do Distrito Federal concedeu liminar, na noite de terça-feira (31/1), anulando os novos valores a serem cobrados dos assistidos pelo Saúde Caixa, que ocorreria a partir de 1º de fevereiro. A ação foi impetrada pela Contraf-CUT, pela Fenae e pelo Sindicato dos Bancários do Ceará e outros sindicatos de bancários pelo Brasil após a Caixa anunciar o reajuste nas contribuições do Saúde Caixa.


Para o coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE), Dionísio Reis, a decisão é importante marco na defesa do acordo firmado com a Caixa após mobilização dos empregados de todo o país. “A direção da Caixa não pode desrespeitar os empregados assim”.


Reajuste foi golpe nos empregados – No último dia 26/1, a direção da Caixa desferiu um golpe contra os empregados ao enviar comunicado, informando os novos valores a serem cobrados dos assistidos pelo Saúde Caixa a partir de 1º de fevereiro. A mensalidade dos trabalhadores da ativa e aposentados aumentaria de 2% para 3,46% da remuneração base; a coparticipação das despesas assistenciais subiria de 20% para 30% e o valor limite da coparticipação passa de R$ 2.400,00 para R$ 4.200,00. Nesse último caso, toda vez que o assistido ultrapassa esse gasto, o complemento é feito pela Caixa.


A empresa tomou essa decisão sem negociar com o movimento sindical, nem discutir no Conselho de Usuários. A medida da Caixa desrespeita a cláusula 32ª do acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), que estabelece a manutenção dos percentuais de mensalidade, da coparticipação e do valor para o teto.


“Os empregados da Caixa receberam com repúdio e indignação a notícia do reajuste arbitrário do Saúde Caixa. A atitude do banco também refletiu total desrespeito com o movimento sindical e com o Conselho de Usuários que, sequer, foram consultados sobre o assunto. Essa liminar é uma importante vitória para os trabalhadores”

Marcos Saraiva, diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará e empregado da CEF