Superlotação e pressão a lesionados são problemas em agências do BB

68

Estrutura física inadequada, número insuficiente de funcionários e pressão para o retorno de lesionados antes do término do tratamento. Esses foram alguns dos problemas detectados pelo Sindicato dos Bancários do Ceará em visitas a unidades do Banco do Brasil na capital e no interior.

As questões foram apresentadas à Superintendência do BB no Ceará, durante reunião ocorrida, na quarta-feira, 12/4, com a presença dos diretores Bosco Mota, Leirton Leite e Carlos Eduardo. Pela Super/BB participaram o superintendente estadual Marcos Luís Galles, o gerente regional de Varejo Sérgio Luiz Oliveira e o gerente de Administração da Super Varejo, Luis Antonio Schuber.

Maracanaú é uma das agências, onde, além dos problemas já citados anteriormente, há ainda superlotação de clientes na agência, vários funcionários doentes trabalhando e extrapolação de jornada de trabalho cotidiana.

Os representantes do banco afirmaram que já existe um projeto para ampliação da agência dependendo apenas da aprovação do Orçamento da União. Quanto ao número de empregados, o banco está remanejando alguns funcionários (adidos) para reforçar o quadro.

Os diretores do banco afirmaram que vão analisar as questões reivindicadas e comprometeram-se a solucionar os problemas encontrados, inclusive visitando agências como Maracanaú e Aldoeta.

No Interior, funcionários lesionados estão voltando antes de terminar o tratamento com receio de serem realocados. Em alguns casos, essa pressão parte da própria perícia do INSS.

A direção do Sindicato aconselha que o funcionário priorize a saúde, pois o BB tem que tentar solucionar os problemas existentes da melhor maneira possível para seu pessoal.