TRABALHADORES PROTESTAM CONTRA MAIS UMA ONDA DE RETIRADA DE DIREITOS PROMOVIDA POR BOLSONARO

26


O Sindicato dos Bancários do Ceará participou na quinta-feira, 28 de novembro, do Dia D contra o retrocesso e a retirada de direitos. O protesto aconteceu em frente ao prédio do Fórum Regional do Trabalho, em Fortaleza e reuniu diversas entidades sindicais e sociais, reafirmando a luta pela defesa dos direitos da classe trabalhadora.


No último dia 11 de novembro, o governo Bolsonaro editou mais uma Medida Provisória, a MP 905, que instala o “Programa Verde Amarelo”, que traz uma nova onda de retirada de direitos dos trabalhadores.


A MP tem pontos cruéis como tirar dos sindicatos a negociação sobre PLR; desregulamentar a jornada de trabalho de diversas categorias; taxa o seguro-desemprego e até suspende a regulamentação de diversas profissões, entre outras maldades.


Em nível nacional, no último dia 26/11, as centrais sindicais se reuniram com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pedindo que a Casa devolva a MP 905 ao governo Bolsonaro. “Essa medida é uma aberração e tem que ser devolvida”. Segundo o presidente da CUT, Sérgio Nobre, foi essa a frase usada pelo grupo de sindicalistas para definir a Alcolumbre o que significa para a classe trabalhadora a MP 905.


Ao receber o pedido oficial de devolução da MP 905, o senador Alcolumbre, admitiu, segundo Sérgio Nobre, que “concorda com as centrais que a medida tem vários aspectos que são prejudiciais aos trabalhadores”. “O senador afirmou que foi criado um grupo técnico no Senado exclusivamente para estudar a Medida Provisória 905”, disse Nobre.


A MP aguarda instalação de comissão mista no Congresso para tramitar, mas já recebeu 1.930 emendas até 20 de novembro, quando foi encerrado o prazo para entrega de emendas.