Trabalhadores vão às ruas em defesa dos seus direitos!

3


O grito “Aposentadoria fica, Temer sai!” tomou conta das ruas de Fortaleza durante a manhã do dia 15/3. Cerca de 30 mil pessoas, segundo a organização, lotaram a Praça da Bandeira, e saíram em caminhada pelo centro da cidade contra a reforma da Previdência que, se aprovada, vai usurpar o direito do trabalhador de se aposentar.


O ato unificado fez parte de um Dia Nacional de Luta convocado pela Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo, em todo o Brasil, contra a reforma da Previdência e a retirada de direitos.


Centrais sindicais, movimentos sociais, sindicatos, associações de bairro, estudantes e diversas entidades da sociedade civil organizada protestaram ainda contra a reforma trabalhista que deve retirar diversos direitos conquistados pelos trabalhadores ao longo do tempo e após muita luta. Os manifestantes destacaram também seu repúdio a outros projetos em tramitação no Congresso Nacional, como o PL que libera a terceirização, que rasgam a CLT e a Constituição.


O aumento da idade mínima para 65 anos e a definição de tempo de contribuição em 49 anos para receber o benefício integral da aposentadoria são propostas vergonhosas da Reforma da Previdência, e atingem principalmente os que mais precisam, aqueles que começam a trabalhar antes e em piores condições. Professores e trabalhadores rurais engrossaram a luta demonstrando seu repúdio contra as mudanças nas regras da aposentadoria que lhes atingem diretamente, medidas  injustas que aprofundarão a desigualdade social já existente no País.


“Não podemos aceitar mudanças que retiram direitos históricos da classe trabalhadora. Do jeito que está, a reforma da Previdência vai penalizar a todos que vão ter de trabalhar até morrer, sem conseguir se aposentar. Além disso, não podemos aceitar a terceirização sem limites que precariza as relações de trabalho e nem essa reforma trabalhista que está proposta aí, comandada pelos patrões e beneficiando apenas os empresários financiadores do golpe”

Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará