Trabalho voluntário é exemplo para o Dia Nacional da Saúde e Nutrição

41

No dia 31 de março, Dia Nacional da Saúde e Nutrição, o Instituto de Prevenção à Desnutrição e à Excepcionalidade (Iprede) foi lembrado pelas suas contribuições no tratamento de meninos e meninas desnutridos na grande Fortaleza. Os trabalhos realizados pelo instituto, durante 23 anos, ganha reconhecimento na assistência de famílias carentes e na recuperação de crianças desnutridas. Segundo o médico Sulivan Mota, presidente do Iprede, a ONG evoluiu de acordo com a demanda dos casos, onde primeiramente se focava a importância da alimentação.


Em seguida, o trabalho ganhou mais ramificações e as necessidades das crianças aos poucos foram sendo supridas de outras formas, além da alimentação. Elas passaram a receber orientações pedagógicas, formação humana e intelectual, recreação e combate à violência doméstica. A partir desta nova visão de atendimento aos necessitados, ficou claro para o Iprede que é preciso tratar os pacientes como um “todo”, onde o equilíbrio emocional se torna um aliado nos tratamentos a desnutrição.


Atualmente, a equipe de saúde da entidade se divide nas seguintes áreas: Nutrição, Medicina, Terapia Ocupacional, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Psicologia, Odontologia, Pedagogia, Assistência Social, Enfermagem e Psicomotricidade, que prestam atendimento em base individual, em grupo e em atividades de estimulação precoce e terapêutica. Com uma experiência médica de 30 anos, o Dr. Sulivan salienta a importância do tratamento da desnutrição na fase da primeira infância, ou seja, dos 5 a 6 anos de idade onde a criança terá mais chances de se desenvolver fisica, intelectual e emocionalmente.


As maiores incidências de desnutrição entre menores de cinco anos são vistas no Nordeste rural (8,7%) e no Nordeste urbano (7,7%). Já os menores índices foram observados entre as crianças menores de 5 anos de áreas urbanas ou rurais das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Entendendo que os indicativos ainda são preocupantes para os nordestinos, a ONG fortalece mais o seu objetivo de se firmar como centro de excelência no estudo da primeira infância.

Iprede atua com doações e campanhas solidárias


Além disso, o Iprede preocupa-se com o desenvolvimento humano na formação completa do cidadão ciente de seus direitos e deveres. Para a realização de seus projetos, a instituição busca laços com a sociedade, divulgando campanhas solidárias e recebendo doações. O BNB (crédito amigo), SEBRAE e SINE/DT são parceiros atuantes da ONG. No momento, há dificuldades referentes a recursos financeiros – o Iprede só dispõe de recursos para sustentar 45% de sua própria infra-estrutura; o restante é advindo de doações da sociedade em reconhecimento ao trabalho do instituto.


As mães dos meninos atendidos também ganham uma chance de mudar a realidade de vida. È o caso de Leiliane Santos do Nascimento, de 18 anos, que ganhou conhecimentos de corte e costura, e computação. Ela tem uma irmã que também trabalha no Iprede. Liliane antes morava com os pais, mas agora consegue seu sustento e mora sozinha com os filhos na própria casa.


Já Oziane Lima Barros, mãe de gêmeos, chegou ao Iprede por indicação da nutricionista do posto de saúde do Conjunto Palmeiras. Suas crianças têm um ano e oito meses. Ela está animada e pretende trabalhar como as outras mães do Iprede para ganhar o sustento.