Treinet do Bradesco é extrapolação da jornada de trabalho e assédio moral

15

A política do Bradesco de formação de funcionários está parecendo com a política de metas e vendas de produtos do banco.


O Bradesco passou a exigir recentemente que seus funcionários façam, a cada mês, pelo menos dois cursos oferecidos pelo Treinet, programa de treinamento virtual. O banco pressiona os funcionários a fazer os cursos fora do seu horário de trabalho. Ou seja, além de cumprir uma jornada de oito horas diariamente, os bancários do Bradesco são obrigados a utilizar suas horas livres para se dedicar a uma atividade do banco.


O Sindicato dos Bancários do Ceará (SEEB/CE) repudia essa prática fora do horário do trabalho e sem as devidas condições, como acesso a computadores com internet, que muitos bancários não têm. Isso resulta também em assédio moral por parte dos gerentes das agências que pressionam os funcionários.


O diretor do Sindicato e funcionário do Bradesco, Gabriel Motta, afirma que o problema não é o programa, mas a forma como ele está sendo aplicado. “Muitos bancários são obrigados a perder seu horário de descanso, como o final de semana, para fazer um curso que o qualifique para os serviços do banco”.