TRIBUNA LIVRE NA PRAÇA DO FERREIRA DEBATE CRUELDADES DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA

19


Sem diálogo com o povo, Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes, querem acabar com a aposentadoria por tempo de contribuição, impor idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres (com uma transição de 12 anos) e, ainda, com a possibilidade de implantar o modelo de capitalização da Previdência, no qual os trabalhadores abrem contas individuais e depositam todos os meses.


Contra esse retrocesso, a CUT Ceará e a Frente Brasil Popular Ceará convocam os trabalhadores para a Tribuna Livre em Defesa da Previdência Pública e Contra o Fim da Aposentadoria, que será realizada no dia 20/2, a partir das 15h, na Praça do Ferreira, em Fortaleza. Esse será o primeiro passo na luta por uma Previdência Social pública, universal, com valorização real, sem privilégios e que amplie a proteção social para quem mais precisa.


“A aposentadoria é um direito conquistado pela classe trabalhadora, e não um privilégio, como o governo quer nos fazer acreditar. Portanto, dia 20, estaremos todos juntos, na Praça do Ferreira, defendendo uma Previdência Social Pública, universal, com valorização real e que amplie a proteção social. Vamos resistir!”, disse o presidente da CUT Ceará, Wil Pereira.


MOVIMENTO NACIONAL – Por todo o País, diversas atividades acontecerão simultaneamente no próximo dia 20/2. Segundo o presidente da CUT, Vagner Freitas, “estamos construindo a resistência que pode chegar numa greve”. Entretanto, antes de uma greve, a CUT fará ações de conscientização da classe trabalhadora contra reforma da Previdência; de pressão junto aos parlamentares nos aeroportos, em suas bases eleitorais e no Congresso Nacional com a volta da campanha “Votou, não volta”. Segundo ele, o governo Bolsonaro quer acabar com a Previdência e com o regime de seguridade social.  “Os trabalhadores têm de saber que, com a reforma, ao se acidentarem no ambiente de trabalho não terão mais seguro porque é a Previdência que paga esse tipo de auxílio”.


Segundo o governo federal, a proposta para a reforma da Previdência deve ser enviada ao Congresso no próximo dia 20/2, quando os trabalhadores estarão mobilizados no Dia Nacional de Luta. Por se tratar de proposta de emenda à Constituição (PEC), a reforma precisa do apoio mínimo de três quintos dos deputados (308 dos 513) para ser aprovada e enviada ao Senado.