TST condena empresa e BB a indenizar vigilante após 10 anos sem férias

14


Vigilante que prestava serviço no Banco do Brasil conseguiu indenização por danos morais por ter passado dez anos sem gozar férias. A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho acolheu recurso do trabalhador e reestabeleceu a decisão da 2ª Vara do Trabalho de Uberlândia (MG) que condenou a CJF de Vigilância Ltda e o banco, de forma subsidiária, a indenizarem o vigilante.


O trabalhador ingressou na CJF em 2001 e prestou serviço apenas no Banco do Brasil. Durante dez anos, ele recebeu a remuneração referente às férias, mas continuou realizando suas atividades sem interrupção.


No processo, a Vara do Trabalho determinou o pagamento da diferença do valor das férias, que deveriam ter sido remuneradas em dobro, referentes aos últimos cinco anos – período que ainda poderia ter sido pleiteado na Justiça, por causa da prescrição quinquenal.


A Vara condenou ainda as duas empresas a pagar indenização de R$ 10 mil por danos morais. De acordo com o juiz, a ausência das férias abalou a honra subjetiva do vigilante, “privado de usufruir de seus direitos e garantias fundamentais em virtude de conduta abusiva da empresa”.


Para ele, o direito à saúde, “que atinge a própria dignidade humana, também é afetado, já que o trabalhador não pode restabelecer suas forças para mais um ano de trabalho”.


No entanto, o Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG), ao analisar o processo, entendeu que “o fato de a empregadora ter descumprido preceito da legislação trabalhista” não faz concluir, por si só, que o trabalhador tenha sofrido “abalo em seus valores íntimos ou que tenha sido ofendido em sua honra ou dignidade”. E retirou a condenação por danos morais.


O vigilante recorreu desse julgamento ao TST. A ministra Delaíde Miranda Arantes, relatora do processo na Sétima Turma, reestabeleceu a indenização por danos morais. Para ela, a atitude da empregadora de não conceder férias por mais de dez anos constitui “ato ilícito”, ao colocar em risco a saúde do trabalhador, “configurando-se, ainda, quebra de boa fé contratual”.