Bradesco: Sindicato esclarece dúvidas sobre novo PDV

49

O Sindicato dos Bancários realizou, no dia 17/9, uma plenária com os funcionários do Bradesco para sanar as dúvidas sobre o novo plano de demissão voluntária lançado pelo banco no último dia 29/8.

Na ocasião, o departamento jurídico da entidade apresentou uma explanação com o detalhamento do novo plano, com a presença dos advogados Anatole Nogueira, Vianey Martins e Ana Virgínia Porto. Os diretores da entidade José Eduardo Marinho, Robério Ximenes e Gabriel Rochinha auxiliaram o corpo jurídico nos esclarecimentos.

São elegíveis ao PDV, trabalhadores que tenham 20 anos ou mais de vínculo com o banco, em departamentos ou empresas coligadas, ou 10 anos para os lotados nos departamentos DOC e Telebanco, aposentados ou que tenham os requisitos para se aposentar; dirigentes sindicais, cipeiros e outros que tenham estabilidade; reintegrados ou aposentados por invalidez que retornaram ao trabalho, além de reintegrados ou aposentados por invalidez que retornaram ao trabalho até 31 de agosto de 2019. O prazo para adesão é até 16 de outubro.

O Bradesco oferece pagamento de 60% do salário de set/19 por ano trabalhado, limitado a 12 salários; 18 meses de plano de saúde e 6 de auxílio cesta alimentação. Além do pagamento de todas as verbas rescisórias, inclusive os 40% do FGTS e PLR proporcional já garantidos pela CCT 2018/2020.

Ação de reintegração – O Departamento Jurídico do Sindicato alerta que aqueles com ação de reintegração em curso na Justiça deverão homologar a renúncia ao pedido de reintegração judicialmente. Nesse caso, é necessário procurar com urgência o advogado que acompanha seu processo para que, até 30/9, seja possível encaminhar os pedidos de renúncia, atentando para o prazo final de adesão ao PDV, que é 16/10. Entretanto, os funcionários podem seguir com outras demandas na Justiça, caso tenham alguma em tramitação, pois o PDV não exige quitação geral. O Jurídico do Sindicato enfatiza ainda que o prazo prescricional para ajuizar outras demandas na Justiça é de dois anos após a data de desligamento e que só se pode cobrar verbas trabalhistas anteriores aos últimos cinco anos, contados da data do requerimento ou concessão da aposentadoria no INSS.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here