GT Saúde Caixa: Representação dos empregados propõe modelo que mantém 70%/30%

41

A representação dos empregados no Grupo de Trabalho Saúde Caixa apresentou, na reunião desta quinta-feira (29), uma proposta de custeio do plano para 2022, como prevê o Acordo Coletivo de Trabalho. A proposta mantém o modelo atual, com contribuição de 70% da Caixa e 30% dos empregados, sem necessidade de reajuste.

“Nós apresentamos a proposta à Caixa e mostramos que mesmo com a aplicação do teto de 6,5% da folha de pagamentos e proventos, como prevê o Estatuto, o plano se mantém sustentável e viável no modelo 70%/30%. Entendemos que esse modelo apresenta as premissas que defendemos, como pacto intergeracional, solidariedade e mutualismo”, disse a coordenadora do GT e da Comissão Executiva de Empregados (CEE/Caixa), Fabiana Uehara Proscholdt.

Leonardo Quadros, integrante do GT e presidente da Apcef/SP, ressaltou que, no início das reuniões do GT, os representantes da Caixa informaram que a orientação da gestão Pedro Guimarães era aplicar o limitador de custeio previsto na resolução 23 da CGPAR. “Ontem, na live (clique aqui), vimos que a aplicação deste limitador nos Correios aumentou os custos dos usuários e fez com que 100 mil beneficiários não tivessem mais condições financeiras de se manter no plano, perdendo sua assistência médica. Diferente dos representantes da Caixa, apresentamos uma proposta, e, com o embasamento técnico da consultoria atuarial que nos assessora, mostramos que podemos manter o atual custeio, no modelo 70/30, sem a necessidade de impactos para os usuários. Esperamos que o presidente Pedro Guimarães reveja sua posição, e que possamos manter o Saúde Caixa viável e acessível a todos os empregados, da ativa e aposentados”, destacou. A Caixa pediu um detalhamento da simulação para analisar a proposta.

Pela proposta, é possível manter, além no modelo 70%/30%:

  • Teto familiar anual em R$ 3.600,00
  • Mensalidade de 3,5% do salário base para o titular do plano
  • Mensalidade do dependente em 0,4%
  • Teto de mensalidade 4,3% da RB
  • Franquia em pronto atendimento R$ 75,00 (2)
  • Coparticipação 30% por procedimento, exceto em internações, terapias oncológicas e pronto atendimento.

Prorrogação do GT

Os representantes dos empregados ressaltaram a necessidade de extensão do prazo para finalizar os estudos a serem apresentados à mesa de negociação. O prazo para conclusão é dia 31 de julho. Na última sexta-feira (23), por meio de ofício enviado ao banco, a CEE/Caixa explicou os motivos do pedido. Um deles é a demora para a instalação do grupo, que aconteceu somente em janeiro de 2021, mesmo com a assinatura do acordo ter ocorrido em setembro do ano anterior.

“Além disso, houve demora no fornecimento de dados dos planos para embasar os estudos e, principalmente, a insistência da Caixa em aplicar a CGPAR 23, que é apenas uma resolução sem qualquer força de lei e não está previsto em nosso acordo. Isso se tornou um impasse e travou nossas discussões”, explicou Alexandro Livramento, membro do GT.

“Queremos tempo para discutir com a Caixa não só o custeio, mas a gestão do plano. Há vários problemas que impactam no custo e na qualidade do Saúde Caixa para os usuários”, acrescentou Marilde Zarpelonn, também representante dos empregados no GT.

O grupo volta a se reunir nesta sexta-feira (30), às 14 horas.

Fonte: Contraf-CUT

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here