Informe Bancário – 18 de março de 2024

59

Eleições Cassi: não deixe para a última hora, vote agora! Apoiamos Cassi para Associados 6 e 33

As Eleições Cassi 2024 seguem até o dia 25 de março. Funcionárias e funcionários do Banco do Brasil, da ativa e aposentados, associados à Cassi, devem votar duas vezes: uma para a Diretoria de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes e Conselho Deliberativo; e outra para o Conselho Fiscal.

A Contraf-CUT e a maior parte das entidades que defendem o funcionalismo do BB, entre elas o Sindicato dos Bancários do Ceará, apoiam as chapas 6 e 33 “Cassi para os Associados”, formada por candidatos com autonomia em relação ao banco.

Entre as propostas da chapa 6 e da chapa 33, estão a integração da saúde do trabalhador com a Atenção Primária, para fortalecer a prevenção em saúde no ambiente de trabalho junto ao Banco do Brasil; a defesa de uma Cassi para todos, com a filiação de funcionários de bancos incorporados, fortalecendo ainda mais o Plano Associados; e a expansão da Telessaúde, baseada na Estratégia Saúde da Família para o interior.

Acesse o site das chapas 6 e 33, com todas as propostas neste link.

Para votar: passo a passo no site

Cada associado deve ficar atento, pois terá que realizar dois votos: primeiro para a Diretoria e o Conselho Deliberativo e depois para o Conselho Fiscal. O voto pode ser feito nas seguintes plataformas: site da Cassi, APP da Cassi no celular, terminais de autoatendimento (TAA) ou SISBB (este, exclusivo para funcionários da ativa).

Para votar no site da entidade (http://www.cassi.com.br):
1. Escolha o perfil “Participante”.
2. Em seguida, clique em “Acessar serviço” e depois em “Titular”, para informar CPF e senha previamente cadastrados.
3. Depois de fazer login, procure no menu a opção “Votação CASSI” e siga as orientações.

Apresentação dos Resultados da Previ em Fortaleza acontece dia 21/3

Os participantes da Previ em Fortaleza estão convidados para a apresentação dos resultados da caixa de previdência dos funcionários do BB em 2023, que acontece na próxima quinta-feira, 21/3. O evento acontece a partir das 8h30, na sede da Superintendência de Varejo do Ceará (Av. Santos Dumont, 2889 – 4º andar – Aldeota), iniciando com um café da manhã e contando com a participação da Diretoria da Previ.

A Previ fechou o ano de 2023 com resultados bastante positivos. O Plano 1 obteve superávit acumulado de R$ 14,5 bilhões, o maior dos últimos anos, com rentabilidade de 13,5%, bem superior à meta atuarial de 8,6% (INPC+4,75%). O Previ Futuro terminou dezembro com rentabilidade acumulada de 16,1%, quase o dobro da meta de referência de 8,5%. Todos os perfis de investimentos tiveram rentabilidade superior aos planos equivalentes do sistema de previdência complementar.

O Plano 1 pagou R$ 16,1 bilhões de benefícios aos quase 102 mil aposentados e pensionistas e fechou o ano com R$ 237,6 bilhões de investimentos. O plano tinha ainda em 31 de dezembro 3.354 associados na ativa.

O Previ Futuro, que tem mais de 80 mil participantes na ativa e quase 4 mil aposentados e pensionistas, alcançou R$ 32,8 bilhões em ativos totais. Já é o quinto maior plano de benefícios do sistema de previdência complementar no Brasil. Veja abaixo como foi a rentabilidade em 2023 de cada perfil de investimento do Previ Futuro.

A diretoria da Previ fez a primeira apresentação dos resultados de 2023, no dia 8/3, na sede da entidade no Rio de Janeiro, às entidades representativas dos funcionários do Banco do Brasil. No dia 11/3, a apresentação foi feita aos associados na AABB Rio. No dia 13, os resultados foram apresentados em São Paulo e no dia 15, em Brasília.

Violência contra a mulher no Março das Mulheres Bancárias

No último dia 14/3, bancários, bancárias e movimento social em geral, juntamente com o Comitê de Mulheres Bancárias Ana Dantas, estiveram reunidos na sede do Sindicato para debater a vida das mulheres, sem violência e por igualdade de direitos.

Os participantes do evento foram recepcionados com o melhor da música popular brasileira interpretada pela cantora Francy Castro. Em seguida, houve um momento especial para relembrar (e nunca esquecer) os seis anos do assassinato brutal da vereadora carioca Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes, e que até hoje não se sabe quem mandou matá-los e por quê. Na sequência tivemos uma linda apresentação do Coral Encanto das Ruas, coordenado pelo maestro Rogério Jales. Então, os participantes assistiram à exibição do filme O Lugar da Esperança, que mostra a história de uma jovem mãe que consegue se livrar de um relacionamento abusivo e que aborda os vários tipos de violência vivenciados pelas mulheres, assim como a luta pela reconstrução da vida.

Após o filme, as debatedoras Letícia Ferreira e Maria do Carmo (psicólogas clínicas e mestrandas em Psicologia pela Unifor) destacaram a importância do debate sobre violência contra a mulher e a importância da construção de uma rede de apoio ao redor dessa mulher vítima de violência. Já a secretária executiva da Igualdade Racial do Ceará, Martir Silva, destacou a questão do machismo estrutural e da importância de uma rede de proteção e atendimento, existente no Ceará, para que as mulheres denunciem os casos de violência e tenham apoio para seguir em frente com a própria vida, sem julgamentos e com a devida acolhida.

A secretária de Igualdade e Diversidade do Sindicato, Francileuda Pinheiro destacou a importância de debater o combate à violência de gênero, inclusive com a presença de homens na plateia. “Precisamos enxergar cada vez mais a importância de nos unirmos nas lutas diárias, sem violência contra as mulheres e por espaços justos e participativos para todas. E esse debate tem de ser feito também com o apoio dos homens, pois a luta contra a violência é de todos e todas. As nossas forças se renovam em momentos como estes”, finalizou.

Escute também nosso podcast sobre o Dia Internacional da Mulher. O episódio reúne a diretora do Sindicato dos Bancários do Ceará, Francileuda Pinheiro; a coordenadora da Casa da Mulher Brasileira, Daciane Barreto; e Eliane Almeida, assessora da secretária estadual da Mulher Trabalhadora da CUT-CE e integrante da coordenação da Casa de Cultura e Defesa da Mulher Brasileira Chiquinha Gonzaga.

Dengue, Covid-19 e cláusula 61 pautam mesa bipartite de saúde

A preocupação com o aumento dos casos de dengue e Covid-19 marcou o início da reunião da mesa bipartite de saúde entre o Comando Nacional dos Bancários, assessorado pelo Coletivo Nacional de Saúde, e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), dia 14/3, em São Paulo. Os representantes do movimento sindical relataram a realidade das bases nas mais variadas partes do Brasil e apresentaram a necessidade de divulgação dos protocolos de prevenção e de ação em casos de sintomas. Também denunciaram casos de trabalhadores atuando com Covid-19 e cobraram controle dos ambientes de trabalho, para mantê-los saudáveis, a fim de evitar a proliferação das doenças. Os bancos se comprometeram a se reunir para estudar métodos de prevenção comum, até que existam vacinas disponíveis para a venda.

Cláusula 61

O Coletivo de Saúde apresentou uma proposta de ajustes à cláusula 61, que trata de assédio moral e discriminação nas relações de trabalho. Entre os pontos está a alteração do nome da cláusula para “Mecanismos de enfrentamento ao assédio e discriminação nas relações de trabalho”. Outra reivindicação é alterar a lógica de obrigatoriedade, para que ela não seja facultativa a cada banco.

Apuração de denúncias

Outra reivindicação é a transparência no processo, com regras para recebimento e apuração das denúncias e prazo para a resolução do caso. Cada banco trata de um jeito, não tem um padrão. Também não tem acompanhamento do sindicato. No resultado da apuração, é necessário a explicação da decisão, além da garantia que a vítima não será punida em todo o processo e que terá acolhimento, com suporte psicológico adequado. O movimento sindical reivindica ainda que a denúncia apresentada anonimamente também tenha que ser apurada.

Informação e formação

Outro ponto do documento apresentado é que todo computador ou terminal que for utilizado pelos trabalhadores apresente a frase: “violência, assédio e descriminalização não serão tolerados”, assim que for ligado, bem como um link para o canal de denúncias. A campanha de formação também seria composta de dois cursos obrigatórios, para funcionários e para gestores, e a capacitação específica em combate ao assédio moral, sexual e discriminação nas relações dos locais de trabalho a todos os membros da CIPAA, com participação dos sindicatos. Os bancos vão levar o documento para avaliação e se compromete a trazer as respostas na próxima reunião, marcada para 11 de abril. No encontro, a Fenaban também garantiu apresentar um fluxo de acolhimento para os trabalhadores que adoecem, antiga reivindicação do movimento sindical.

GT de Saúde do Itaú volta a se reunir

O Grupo de Trabalho (GT) de Saúde do Itaú voltou a cobrar da direção do banco, na sexta-feira (15/3), o prosseguimento das negociações das cláusulas 61 e 87, da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). A primeira trata da prevenção de conflitos e assédio moral no local de trabalho e dos canais de denúncia. A segunda, por sua vez, aborda as formas de acompanhamento das metas por parte dos bancos. Os representantes dos trabalhadores também questionaram sobre o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), Fluxo de afastamento e Programa de Retorno. O banco remeteu os pontos da Cláusula 61 e PCMSO para que seja tratado pela mesa bipartite de saúde.

Sobre a Cláusula 87, foi reivindicado a construção de um documento em conjunto sobre acompanhamento de metas. O tema volta a ser debatido em outra oportunidade.

O Itaú apresentou o fluxo de afastamento, no qual o trabalhador cadastra seu atestado no IU Conecta para dar início a sua licença. Os dirigentes sindicais questionaram o banco sobre os trabalhadores que estão licenciados e não têm acesso ao aplicativo. O banco respondeu que o motivo do acesso ser cortado é falta de atualização cadastral para renovação de senha, feita a cada 60 dias. O banco alega que, no fluxo, todas as informações são repassadas. Os representantes dos trabalhadores disseram que os bancários continuam enfrentando problemas como desvio de documentação, data de DUT com erro, demora nas respostas dos problemas repassados ao banco e total falta de informação. O Itaú se comprometeu a trabalhar nas melhorias.

Os representantes dos trabalhadores expuseram a necessidade de um atendimento humanizado para acolher o trabalhador. Também foram relatados problemas com o atendimento da Central de Pessoas.

A próxima reunião terá como pauta a construção da cartilha de fluxo de afastamento e a apresentação das melhorias no Programa de Retorno Recomece.

Não deixe de ouvir o Tribuna Bancária Podcast

Todas as quintas-feiras, sempre um novo episódio disponível no Spotify, no nosso site e em breve nas demais plataformas de áudio. Nessa semana trazemos um debate importante sobre capacitismo, acessibilidade e inclusão, com o diretor do Sindicato e empregado da Caixa, Mário Cleiton, e o coordenador nacional do setorial das Pessoas com Deficiência do PT, Rubinho Linhares. Assista no Spotify e no nosso site.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here