Sindicato do Ceará apresenta prioridades para a Campanha Nacional na Conferência da Fetrafi/NE

9

Durante os dias 3, 4 e 5/5, em Recife (PE), aconteceu a XIII Conferência Regional da Fetrafi/NE. O encontro reuniu 129 delegados de diversos sindicatos filiados, como Alagoas, Campina Grande, Cariri, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí e a Oposição Bancária do Maranhão e debateu as estratégias e reivindicações que serão levadas à 26ª Conferência Nacional dos Bancários, que será realizada entre os dias 7 e 9 de junho de 2024, em São Paulo. Os bancários do Nordeste destacaram a unidade e a mobilização da categoria em todo

o país como fundamentais para a manutenção de direitos e para o avanço de novas conquistas.

“Mais uma vez estivemos reunidos não só para debater os desafi os da nossa categoria, mas também para apontarmos caminhos para construir a sociedade que queremos. Viemos para cá com propostas, para fazer a defesa das nossas pautas (saúde, emprego, melhores condições de trabalho etc.) e esperamos sair daqui fortalecidos, unidos para que possamos fazer essa mesma defesa das nossas pautas em nível nacional, nos congressos, na Conferência Nacional, assim como nos nossos locais de trabalho”, avaliou o presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, José Eduardo Marinho.

 Mesa de Conjuntura – No 1º dia de evento, 3/5, foi realizada uma mesa de debate sobre a conjuntura política atual. Gustavo Tabatinga, secretário geral da Contraf-CUT, apontou os desafios e perspectivas políticas que influenciam diretamente o setor financeiro e os trabalhadores. “É uma grande satisfação estar aqui fazendo uma análise de conjuntura para a categoria, mostrando os desafios e o que vamos enfrentar na nossa campanha nacional. É importante estarmos engajados para um momento de lutas e um momento de conquistas. Vamos avançar com a nossa unidade para conquistarmos mais”, destacou Gustavo Tabatinga.

Mulheres – Na manhã do sábado, 4/5, a programação iniciou com a mesa de mulheres, com a participação da Caref/BB, Kelly Quirino, que falou sobre os desafios de ser mulher em todos os ambientes, inclusive no trabalho. Ela abordou a herança escravocrata da nossa sociedade e como esta impacta desproporcionalmente as mulheres, especialmente as negras, que frequentemente não tem seus direitos reconhecidos e que não são valorizadas pelo seu trabalho de cuidar. Durante o debate, ela enfatizou também a necessidade de discutir temas como violência, opressão e preconceito, destacando a importância das eleições municipais para a escolha de líderes comprometidos com a igualdade de gênero. Kelly salientou que eleger mulheres é crucial para garantir que essas questões sejam priorizadas. Ela destacou ainda a importância de educar os meninos desde cedo para respeitar a igualdade e preparando-os para contribuir para uma sociedade mais justa.

 

Análise da CCT – Continuando os debates do dia 4/5, o advogado Gustavo Gomes, da Fetrafi/NE, detalhou as 90 cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. Este trabalho, realizado pelo corpo jurídico da Fetrafi/NE em colaboração com técnicos do Dieese, está disponível para consulta no site da federação (www.fetrafine.org.br). Este documento é uma ferramenta essencial para entender os avanços alcançados nas negociações anteriores e identificar oportunidades para fortalecer ainda mais os direitos dos bancários.

Para encerrar o segundo dia de Conferência, a coordenadora da COE Bradesco, Magaly Fagundes, apresentou uma análise crítica sobre as transformações no setor financeiro nacional e destacou as tendências que estão redefinindo o ambiente de trabalho, como as mudanças tecnológicas e as novas regulamentações do Banco Central, além de discutir a evolução da legislação trabalhista. Ela também apontou o impacto dessas mudanças na sindicalização e nas condições de trabalho, fornecendo um panorama detalhado e atualizado sobre os desafios enfrentados pelos trabalhadores do setor.

Plenária Geral – No último dia da Conferência, 5/5, que contou com a presença da presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, os delegados estiveram reunidos na plenária geral que definiu as prioridades dos bancários do Nordeste que serão levadas à Conferência Nacional, destacando a luta por reajustes salariais que acompanhem a inflação, políticas de inclusão, a redução de metas excessivas, o impacto das novas tecnologias no emprego, reforma tributária, defesa dos bancos públicos, políticas para redução de taxas de juros, combate ao assédio moral e a busca por um ambiente mais saudável e respeitoso para todos os funcionários.

“Reunimos os bancários do Nordeste para debater a campanha nacional dos bancários, um processo que envolve um país de organização, um país de reivindicações, para manter e conquistar novos direitos, para contribuir com o desenvolvimento da sociedade, cobrando do sistema financeiro uma responsabilidade social, mas também melhores condições de trabalho da categoria”, finalizou Carlos Eduardo, presidente da Fetrafi/NE.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here