Artigo: É preciso cuidar da saúde mental da categoria bancária

79

Carlos Eduardo, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará

Pressão por metas, assédio moral, desempenho de múltiplas funções e, além das pressões do dia-a-dia do trabalho bancário, ainda tivemos uma pandemia mundial que já matou milhões. Tudo isso tem gerado uma questão muito grave na categoria: o aumento gradativo dos índices de afastamentos de bancários por problemas psicológicos nos últimos anos.

Um estudo recente do Dieese analisou os dados da Previdência Social e apontou os bancos como responsáveis por 15% dos afastamentos por causas mentais entre setores de atividade econômica, nos anos de 2012 a 2017. A proporção aumenta para 16% se considerar os afastamentos por depressão. Enquanto nos demais setores a elevação de benefício por Transtorno Mental foi de 19,4% entre 2009 e 2013, no setor bancário chegou a 70,5%. Provavelmente a situação atual está mais grave.

De 1996 a 2005 ocorreram um suicídio a cada vinte dias entre os bancários. Em muitas situações nos próprios locais de trabalho. Mais recentemente, temos tido relatos de casos de suicídios de bancários que reforçam a necessidade de que medidas sejam tomadas para proteger a saúde física e mental da nossa categoria que, visivelmente, se sente triste, pressionada, com medo do futuro e com alto índice de adoecimento psíquico.

Outra pesquisa do Dieese, desta vez sobre Teletrabalho, mostra o alto índice de pessoas com medo de ser esquecidos/dispensados (56,8%); ansiedade (65,4%), entre outras questões preocupantes. Nos dados preliminares de pesquisa sobre sequelas da Covid-19, realizado em parceria com a Universidade de Campinas (Unicamp), também aparecem questões preocupantes: Não me sinto alegre (45%); cabeça cheia de preocupações (67,1%).

São dados que ilustram uma situação de alerta à qual devemos estar atentos. A pressão exercida pelos bancos para garantir resultados vem deixando os bancários em um nível de sofrimento extremo.

A pandemia só agravou uma situação que já era alarmante. O medo do contágio, de adoecer e levar a doença para seus familiares, em um convívio com a morte que está à nossa volta. Agravando a situação vemos os bancos intensificarem a pressão em um momento de crise sanitária, inclusive para a volta ao trabalho presencial, sem que sejam feitas as devidas negociações com a representação dos trabalhadores, o que nós do movimento sindical estamos questionando. Além disso, temos um governo que prioriza os constantes ataques aos nossos direitos, desmontando a fiscalização do trabalho e dificultando o acesso aos direitos previdenciários.

Para ajudar a nossa categoria, temos o Plantão Psicológico, reativado no início da pandemia e reformulado para o formato virtual. As sessões são realizadas com a dra. Margareth Oliveira e é um serviço totalmente gratuito voltado para os bancários da ativa e sindicalizados. Para agendar seu atendimento, o bancário deve ligar para o telefone 85 99987 6284 e agendar o melhor dia para a sua sessão, de segunda a quinta-feira, no horário de 9h às 12h. O atendimento psicológico acontece de segunda a quinta-feira, das 20h às 21h.

Precisamos exigir dos bancos políticas efetivas de prevenção, monitoramento e controle da saúde dos bancários, nas quais o imperativo seja reconhecimentos dos riscos ergonômicos, psicossocial e biológico. Da mesma maneira, é essencial que haja uma atenção aos colegas que adoecem, garantindo condições para tratamento. E, acima de tudo, o fim das metas abusivas, o consequente assédio moral e a pressão pelos resultados. #VidaéLuta!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here