Empregados fortalecem defesa dos direitos e da Caixa 100% Pública

16



Os empregados da Caixa de todo o Brasil vestiram preto dia 15/3 para o Dia Nacional de Luta em Defesa da Caixa. O governo federal e a nova direção do banco vêm promovendo diversos ataques contra os funcionários e contra o caráter público da Caixa. O presidente Pedro Guimarães já anunciou que pretende fatiar a empresa e privatizá-la em pedaços. Áreas como seguros, cartões, assets e loterias, que estão entre as mais lucrativas do banco estão na mira da nova direção do banco.


A direção do Sindicato dos Bancários do Ceará visitou diversas agências de Fortaleza conscientizando a população e mobilizando os empregados. Os dirigentes destacaram o importante papel social do banco para os trabalhadores e os menos favorecidos e falaram sobre a necessidade de mobilização cada vez mais forte de todos os empregados para defender os direitos historicamente conquistados.


GESTÃO PRIVATISTA – O governo Bolsonaro e a nova direção do banco vêm promovendo diversos ataques contra os empregados e contra o caráter público da Caixa. O presidente Pedro Guimarães já anunciou que pretende fatiar a empresa e privatizá-la em pedaços. Áreas como seguros, cartões, assets e loterias, que estão entre as mais lucrativas do banco estão na mira da nova direção do banco. Além disso, na última semana a imprensa noticiou que, a pedido de Pedro Guimarães, o banco deve fazer uma provisão de aproximadamente R$ 7 bilhões para cobrir perdas esperadas com calotes na carteira de financiamento imobiliário e a desvalorização de imóveis retomados pelo banco.


Porém, tal provisionamento reduz sobremaneira o valor que o banco teria que pagar a título de PLR aos empregados, que deram duro e conseguiram superar as metas estipuladas pelo banco. A nova direção da Caixa, no entanto, não quer reconhecer o esforço dos seus empregados. Por isso, o movimento sindical solicitou uma reunião com o banco para esclarecer as mudanças que estão sendo feitas. Mas, o banco se recusou a passar tais informações e esclarecimentos às entidades de representação dos empregados.


Como forma de protesto com tamanho desrespeito aos trabalhadores e mostrar a contrariedade às medidas privatistas que estão sendo implantadas, os empregados fizeram esse Dia Nacional de Luta em defesa da Caixa 100% pública, contra a venda das áreas mais lucrativas do banco, na defesa do seu papel social, contra as manobras que reduzam o lucro da Caixa, por mais reconhecimento ao trabalho, por mais empregados já e pelo fim do assédio moral na empresa.