GT de Saúde do Itaú cobra cumprimento da cláusula 87 da CCT (metas)

187

O Grupo de Trabalho (GT) de Saúde do Itaú-Unibanco se reuniu com a direção do banco, na manhã desta quarta-feira (14), em reunião híbrida, para iniciar o cumprimento da cláusula 87 da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), negociada na Campanha Nacional de 2022, sobre metas. O texto prevê o debate sobre as formas de acompanhamento das metas estipuladas para cada trabalhador e suas cobranças.

No encontro, os dirigentes sindicais apresentaram os levantamentos dos sindicatos e relataram os problemas que os trabalhadores estão enfrentando nos últimos meses por conta da cobrança excessiva de metas.

Para a coordenadora do GT de Saúde, Luciana Duarte, é fundamental mostrar ao banco “os preocupantes números de doenças psíquicas relacionadas ao trabalho, com destaque para os alarmantes casos de esgotamento profissional (burnout), que são consequência de cobrança absurda de metas e assédio moral”.

As críticas caíram também sobre a falta de eficácia do canal da prevenção de conflito. “Os números apresentados na reunião pelos sindicatos presentes mostram que a realidade do tamanho do adoecimento dos bancários do Itaú é assustadora! O assédio moral só aumenta. Cobramos a responsabilidade do banco sobre a situação dos trabalhadores e que sejam debatidas e encaminhadas soluções concretas para os problemas”, disse Valeska Pincovai, representante do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região no GT de Saúde do Itaú.

Foi entregue ao banco ainda uma pauta de negociação com vários temas relacionados à saúde e condições de trabalho. “Criamos um calendário para tratar dos temas que são urgentes diante do cenário de adoecimento extremo da categoria”, completou Luciana.

O banco se comprometeu a trazer, na próxima reunião, marcada para o dia 27, a resposta de todos os casos denunciados.

Fonte: Contraf-CUT

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here