Nova diretoria da Fetrafi/NE toma posse

129

Tomou posse no dia 6 de julho a nova diretoria da Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro do Nordeste (Fetrafi/NE), que comandará a entidade no quadriênio 2021/2025. Devido a necessidade de isolamento social, a cerimônia presencial foi restrita aos presidentes dos sindicatos filiados e transmitida por meio de videoconferência, através da plataforma Zoom, aos diretores e convidados.

Em seu discurso de posse, o presidente reeleito da Federação, o bancário cearense Carlos Eduardo saudou todos os dirigentes e reafirmou a importância da luta pela vacina prioritária para a categoria. Cabe destacar que a Fetrafi/NE tem sete sindicatos filiados: Alagoas, Campina Grande, Cariri, Ceará, Paraíba, Pernambuco e Piauí. “A responsabilidade da Federação é discutir políticas de negociação coletivas e organizar os sindicatos, com a união de todos por um Nordeste atuante na luta pela nossa categoria”, afirmou o presidente.

O presidente agradeceu, também, o amplo apoio dos trabalhadores e destacou os desafios dos próximos quatro anos.

Confira as pautas do Plano de Lutas aprovadas no 4º Congresso da Federação, no dia 5/6:

Curto prazo:

  • Vacinas para todos; prioridade para todas as categorias que prestam serviços essenciais;
  • Contra o desmonte dos serviços e empresas públicas;
  • Combater a fome com a volta do pagamento do Auxílio Emergencial;
  • Discussão do teletrabalho (refazer em julho a pesquisa do ano passado);
  • Barrar a cobrança pelo cumprimento de metas abusivas;
  • Discutir as sequelas da Covid-19, que tem impactado o rendimento dos bancários(as);
  • Eleições de 2022 (E não se pode pensar somente na eleição presidencial, deve-se discutir a eleição para governadores, senadores, deputados estaduais e federais).

Médio prazo:

  • Organização do movimento sindical bancário, ante a mudança na estrutura dos bancos (quantos bancários trabalham em empresas que comercializam produtos virtualmente?);
  • Como encontramos os nossos bancários(as) hoje? (as contratações, as entrevistas, os currículos são todos eletrônicos. O Itaú já vendeu vários prédios por conta do trabalho não presencial);
  • Comunicação (Como a gente vai se comunicar com esses bancários?)
  • Uma central de relacionamento com os(as) bancários(as) (É necessário novas ferramentas de rede).

Longo Prazo:

  • Criação do Ramo – Criar uma nova identidade da classe trabalhadora (É necessário que se amplie a cobertura sindical para a pluralidade dos trabalhadores do ramo financeiro que têm perfis distintos e estão distribuídos de diversas formas).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here