Sindicato alerta: estudo da Fundação Getúlio Vargas sugere incorporação do BNB ao Banco do Brasil

25



Levantamento detalhado em elaboração na Fundação Getúlio Vargas (FGV) indica que das 151 empresas estatais controladas pelo Governo Federal pelo menos a metade poderia ser privatizada, cinco incorporadas e três terem as suas funções reduzidas. O Banco do Nordeste do Brasil (BNB) e o Banco da Amazônia (Basa) surgem como passíveis de serem incorporados ao Banco do Brasil.


O estudo vem sendo conduzido pelo Observatório das Estatais, montado há um ano pela FGV, sob a coordenação dos economistas Márcio Holland e Valdir Simão, ex-ministro do Planejamento, que, apesar de acharem que a privatização está no rumo certo, não pode ter como justificativa principal resolver problemas de caixa do Governo.


O levantamento da FGV envolve estatais dependentes do Tesouro Nacional, não dependentes e subsidiárias. Entre as empresas dependentes do Tesouro que podem ser privatizadas está a Companhia de Desenvolvimento dos Vales São Francisco e do Paraíba (Codevasp), importante instrumento de desenvolvimento da região nordestina.

BNB – O Banco do Nordeste do Brasil S.A. (BNB), que no primeiro semestre de 2017 apresentou lucro líquido de R$ 298 milhões, integra a lista das empresas não dependentes de recursos do Tesouro Nacional. O BNB atende também os requisitos exigidos pela Constituição Federal no ato de criação e manutenção das estatais: ter finalidade social e interesse coletivo para atuar em áreas que a iniciativa privada não tem interesse.


“Se o próprio estudo do Observatório das Estatais da Fundação Getúlio Vargas adota como premissa esses dois pilares da Constituição Federal acima descritos é, no mínimo, contraditório sugerir a extinção do BNB e do Basa via incorporação ao Banco do Brasil”, afirma Tomaz de Aquino, coordenador da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB e diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará.


“Se o BNB dá lucro, não depende de recursos da União, ao contrário, distribui dividendos todos os anos ao seu acionista majoritário – Governo Federal – e além disso cumpre função de extrema relevância como a de ser o maior agende financiador do microcrédito na América Latina e o maior operador do Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf) no Nordeste, é totalmente injustificável a sua incorporação ao Banco do Brasil que não possui a expertise para promover o desenvolvimento da região nordestina”, disse Tomaz de Aquino.


Source: Noticia58