Sindicato se reúne com Banco do Brasil para debater mudanças na PSO

22



As mudanças nas Plataformas de Suporte Operacional ( PSO) do Banco do Brasil foram o tema da reunião entre o Sindicato dos Bancários do Ceará e os representantes da plataforma em Fortaleza, na quinta-feira, 28/9. Os caixas agora passam também a vender produtos do banco e isso gera preocupação com a questão da segurança e com a pressão por resultados de vendas, até porque a direção do BB garante categoricamente: “ vende quem quer”.


Os diretores do Sindicato, Jannayna Lima, Valdir Maciel e Bosco Mota salientaram o risco operacional para o caixa, na questão das vendas, porque o risco do caixa é pecuniário e ele paga direto do bolso. “Nossa preocupação é com os bancários para que trabalhem tranquilos e não se sintam pressionados a vender, porque um erro pesa no bolso. Também exigimos o fim da cobrança feita por WatSap e SMS fora de horário e também o ranqueamento de vendas, inclusive é proibido pela nossa Convenção”, disse Jannayna.


Outras demandas foram apresentadas ao gerente Francisco Jardel de Sousa, da PSO em Fortaleza, que ficou de analisar todas as questões, como melhoria das condições de trabalho e segurança em algumas agências, como  BB Montese e  BB Campus do Pici, da Universidade Federal do Ceará. Foi ainda solicitado rodizio para o pessoal do autoatendimento e garantia de tempo para descanso dos funcionários.


O Sindicato espera que a PSO também promova treinamento para os bancários, que optarem por vender, que optarem pela carreira comercial do banco, para minimizar possíveis erros. Outra preocupação é também com relação ao horário de trabalho na PSO. Para isso o Sindicato reivindica melhorar a comunicação prévia nas mudanças de horário dos funcionários, bem como os locais de trabalho.


Os dirigentes sindicais finalmente defendem que o caixa é pra estar no caixa e entendem que, quem deve ficar no autoatendimento é escriturário. E ainda, só devem  ir para fora nos dias de vale e fazer o rodizio nos oito pontos da PSO: Praça do Carmo, Correios, Barão do Rio Branco, Aldeota, Praia de Iracema, Parquelândia, Papicu e 13 de Maio. Enfim, “o caixa é pra estar no caixa, pois misturar o serviço com vendas, o ônus só cai para o caixa”, concluíram.


Source: Noticia58