Trabalhadores vão às ruas em defesa da aposentadoria

15









Normal
0


21


false
false
false

PT-BR
X-NONE
X-NONE






































































































































































/* Style Definitions */
table.MsoNormalTable
{mso-style-name:”Tabela normal”;
mso-tstyle-rowband-size:0;
mso-tstyle-colband-size:0;
mso-style-noshow:yes;
mso-style-priority:99;
mso-style-parent:””;
mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt;
mso-para-margin-top:0cm;
mso-para-margin-right:0cm;
mso-para-margin-bottom:10.0pt;
mso-para-margin-left:0cm;
line-height:115%;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:11.0pt;
font-family:”Calibri”,”sans-serif”;
mso-ascii-font-family:Calibri;
mso-ascii-theme-font:minor-latin;
mso-hansi-font-family:Calibri;
mso-hansi-theme-font:minor-latin;
mso-fareast-language:EN-US;}


Mesmo debaixo de chuva, trabalhadores de várias categorias foram às ruas de Fortaleza na segunda-feira, dia 19/2, para mostrar sua indignação contra a ameaça desumana do governo ilegítimo à aposentadoria. Os protestos foram contra o novo projeto de reforma da Previdência Social, proposto pelo governo Temer. Após um ato público, houve caminhada pelas ruas do centro da Capital.


Entre as categorias de trabalhadores que participaram do ato estavam bancários, servidores municipais, metalúrgicos, petroleiros, professores, jornalistas, servidores federais, profissionais da saúde, comerciários e construção civil. A manifestação contou também com a participação de integrantes de movimentos sociais, populares e estudantis.


Os bancários cearenses levaram para rua sua luta e o Vampirão Temerário, inspirado naquele do desfile carnavalesco da Escola Paraíso do Tuiuti, do Rio de Janeiro.


Projeto de Desmonte


Enviada ao Congresso Nacional em dezembro de 2016, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287-A coloca em risco a própria Previdência Social e toda a estrutura de proteção social construída a partir da Constituição de 1988. O novo projeto desmonta a Previdência Social visando principalmente a venda de sistemas privados de previdência, ofertada pelos bancos.


Além do mais: a Previdência Social não é deficitária como quer o governo federal. Na verdade, é superavitária, como concluiu a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), instalada no Senado no segundo semestre do ano passado.




 


 


Source: Noticia57