ARTIGO: Crise do coronavírus comprova importância dos bancos públicos

112

Carlos Eduardo, presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará

Em mais um momento de grave crise, os bancos públicos são chamados para socorrer o país. Em 2008, quando o mundo sofria as consequências de uma grave crise financeira global, os bancos públicos foram utilizados como instrumento para a recuperação da economia. Atualmente, quando enfrentamos o coronavírus e vivenciamos uma conjuntura sem precedentes, novamente a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil, o Banco do Nordeste do Brasil e o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) são chamados para socorrer o país e exercerem, mais uma vez, o papel de financiadores do desenvolvimento nacional.

Diante da certeza de agravamento da crise, a equipe econômica do governo Bolsonaro deu uma trégua no discurso privatista e contra o patrimônio público para anunciar medidas anticíclicas. Agora, as principais iniciativas de proteção à nossa economia dependem dos bancos públicos, que foram convocados a reforçar a liquidez do sistema financeiro e atender as necessidades de crédito de todos os setores da sociedade.

Os bancos públicos têm um importante papel no desenvolvimento do país. Fornecem crédito a juros mais baixos, financiam moradias populares e de alto padrão, investem na agricultura familiar e nas micro e grandes empresas, além de impulsionarem setores informais. Diferentemente dos privados, que atuam apenas para a obtenção de lucro, os bancos públicos podem participar de uma estratégia nacional tanto nos momentos de retração quanto de expansão.

Nesse momento, como principal operadora das políticas públicas, a Caixa poderá contribuir com mais R$ 75 bilhões para ajudar o país a retomar o crescimento econômico. A Caixa está reduzindo os juros para empréstimo, além de conceder pausa de dois meses no pagamento de contratos de crédito.

A realidade mostra como é equivocada posição da equipe econômica e da atual direção da Caixa, que desde 2019 promovem o fatiamento da Caixa por meio da venda de suas subsidiárias, como a Caixa Seguridade. O mesmo vem acontecendo com o BB. Entregar aos bancos privados as peças fundamentais da nossa economia resultará em impacto negativo para população, como o encarecimento da moradia. Representará, ainda, prejuízos vultosos ao desenvolvimento dos estados e municípios e aos pequenos negócios, afetando toda a sociedade em um efeito cascata.

Sem políticas públicas e com o desmantelamento da Caixa e de outros bancos públicos, o Brasil se tornará ainda mais vulnerável a turbulências do mercado financeiro global. A saída possível — oferecida pelos bancos públicos em outras conjunturas igualmente difíceis — decorre de um projeto nacional de crescimento com inclusão, baseado em investimento público, financiamento da produção e das famílias, geração de empregos e aumento da renda da população.

No último ano, toda a classe trabalhadora vem defendendo a importância da função social das empresas públicas, contra as ações de sucateamento e privatização propostas pelo atual governo. Hoje nós temos plena noção da importância destas instituições em sua função de auxiliar, atender e conceder benefícios à população. Estamos parabenizando todos os funcionários de bancos públicos que, com extrema competência, agilizam todo o processo e sistemas de pagamento à população brasileira, que tem urgência e extrema necessidade neste momento. Precisamos defender as instituições públicas, pois nestes momentos críticos são estas instituições que irão socorrer e atender a população brasileira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here