Bancários do Itaú querem emprego, saúde e melhores condições de trabalho

126

Os 159 delegados e delegadas participantes do Encontro Nacional dos Trabalhadores do Itaú, realizado virtualmente dia 5/8, definiram sua pauta de reivindicações específica. Segundo o coordenador da COE Itaú, Jair Alves, a representação dos funcionários esperam a retomada das negociações com o banco para tratar de cada ponto debatido durante o Encontro.

Saúde do trabalhador

O tema de saúde sempre foi muito importante para o movimento sindical bancário. Com a pandemia, ganhou ainda mais importância. A vacinação começou, mas está longe de ser o ideal. É preciso continuar na luta pelo real cumprimento dos protocolos de saúde e segurança negociados com a Fenaban no começo da pandemia e na luta pela vacinação de todos os bancários e por melhores condições de trabalho. Um tema que merece a atenção da representação dos funcionários é a possível pressão pela volta dos bancários ao trabalho presencial. O acordo com a Fenaban prevê que não haverá volta sem negociar os critérios, com um protocolo único mínimo de procedimento.

Emprego

Os delegados debateram os números apresentados pela economista do Dieese, Cátia Uehara. A COE Itaú defende que é preciso abrir negociações sobre as metas e sobre os programas de remuneração, que muitas vezes são usados como justificativas para as demissões.

Remuneração

Os delegados mostraram que instabilidade e medo de demissões são os resultados da implementação do GERA, programa de remuneração variável criado para substituir o AGIR. Desde o início da mudança do Agir, a COE vem tentando negociar essas mudanças. Nas pesquisas feitas pelos sindicatos, percebe-se que o GERA causou acúmulo de funções, aumento das metas, sobrecarga de trabalho, assédio moral, entre outras pioras na comparação com o Agir, que já tinha diversos problemas.

GT Saúde

É muito importante ressaltar a importância de o movimento sindical ter conquistado o GT de Saúde no Itaú. Desde que o grupo foi criado estamos constantemente negociando temas relativos à saúde do trabalhador. Durante a pandemia, este trabalho ganhou ainda mais importância, na luta por uma condição de trabalho digna.

Fundação Itaú

Foi feito um breve relato sobre todos os planos e um resgate das últimas eleições, realizadas em maio. “Os ataques que os fundos de pensão em sofrendo já é um debate bastante disseminado. Eles querem que os fundos fiquem nas mãos dos bancos, sem representatividade dos trabalhadores. Não temos nenhum técnico, mas somos participantes e temos interesses para que tudo dê certo. Nós temos que estar agindo para ver onde há espaços para beneficiar os trabalhadores”, afirmou Erica Godoy, conselheira da Fundação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here