Conquista: dependentes de funcionários do Bradesco terão direito a teste de Covid-19

100

Após cobranças do movimento sindical, o Bradesco informou que até 19/12 fará testes de Covid-19 nos dependentes dos seus funcionários no plano de saúde. Os testes começarão a ser realizados na Cidade de Deus, em Osasco (SP), onde se localiza a matriz do banco. A expansão da iniciativa para os demais estados será informada ao movimento sindical, assim que definido o cronograma.

“Esta era uma das reivindicações do movimento sindical. Precisamos valorizar esta conquista. Mas, vamos continuar lutando para que o banco interrompa a política de demissões em plena pandemia e, mais do que isso, que reveja as demissões já realizadas”, disse a coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Bradesco, Magaly Fagundes.

Em abril, o banco assumiu o compromisso com a Contraf-CUT e o Comando Nacional dos Bancários de que não demitiria funcionários durante a pandemia. Mas, no dia 28 de setembro, em desrespeito ao compromisso assumido, o banco iniciou um processo de demissões e, em menos de dois meses, já demitiu mais de 2.500 funcionários, segundo levantamentos da COE do Bradesco.

A representação dos funcionários considera que essa postura do Bradesco pode ser considerada demissão em massa em plena pandemia. Os sindicalistas conseguiram conquistar uma série de medidas que resguardam os bancários do contágio pelo novo coronavírus, mas as demissões estão deixando todos numa grande tensão, por medo do desemprego em plena pandemia. É uma total falta de compromisso com seus funcionários e com a sociedade de forma geral, que vê aumentar o desemprego e também as filas nas agências. E isso depois de o banco ter apresentado um lucro de quase R$ 13 bilhões nos primeiros nove meses do ano.

Coordenados pela Contraf-CUT, sindicatos de todo o país realizam uma Campanha Nacional contra as demissões nos bancos privados, utilizando as redes sociais como principal via de protesto com a hashtag #QuemLucraNãoDemite. Acompanhe o calendário de protestos e tuitaços nos nossos meios de comunicação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here