Pesquisa sobre as sequelas da Covid-19 encerra retrato da categoria bancária

65

No dia 4/9, durante a 23ª Conferência Nacional dos Bancários, foi apresentado o resultado parcial da pesquisa feita em parceria com a Universidade de Campinas (Unicamp) sobre as sequelas da Covid-19 na categoria bancária.

A pesquisa está mapeando a saúde do trabalhador bancário já acometido pela doença afim de subsidiar o Comando Nacional dos Bancários nas negociações com os bancos e para garantir a devida proteção à saúde dos trabalhadores. Num questionário online, eles descreveram os sintomas e outros efeitos que permaneceram após a cura. Os dados fornecidos pelos entrevistados são todos protegidos. Somente dados totalizados é que serão divulgados. Trata-se de uma extensa e aprofundada pesquisa que busca levantar sintomas e impactos na saúde, tanto na fase mais branda da doença como na mais rigorosa, inclusive em casos de reinfecção.

A partir dos resultados dessa pesquisa, o Comando Nacional vai atuar para garantir os direitos trabalhistas e previdenciários, e cobrar dos bancos acompanhamento dos casos, com garantia de tratamento adequado e acompanhamento médico através do Programa de Controle médico e saúde ocupacional (PCMSO), entre outras medidas. Um dado que preocupa, por exemplo, quando 31,2% dos bancários que responderam afirmam que o banco não lhe proveu assistência durante a infecção e 41,8% afirmaram que os bancos não disponibilizaram testes para Covid.

A doutora Clarissa Lin Yasuda, médica e professora assistente de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (FCM/UNICAMP), informou que os resultados preliminares do inquérito sobre alterações neurológicas em bancários após a infecção por Sars-CoV-2 mostram que os sobreviventes persistem com diversas queixas. “Sentem-se com fadiga, ansiedade, dificuldades cognitivas. Além disso, aproximadamente 30% referem-se estar com capacidade de trabalho diminuída após a infecção. Esse estudo é de extrema importância para uma caracterização detalhada das limitações e possíveis sequelas secundárias a infecção. Somente com estudos científicos será possível convencer governantes sobre a magnitude dessas limitações”.

Pesquisa continua – É fundamental que a categoria participe ativamente dessa pesquisa. Se você ainda não respondeu o questionário, participe. Link para validação do termo de autorização (imprescindível): https://adobe.ly/382fbC8. Link do questionário da Pesquisa:
https://bit.ly/3k8jYb3.

Em caso de dúvidas, entre em contato com a equipe pesquisadora: neurocovid@hc.unicamp.br ou pelo zap: (19) 99768 7517.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here